sexta-feira, novembro 12, 2010

Você pergunta, nós respondemos: "E sobre o jugo desigual?"







Todos os princípios contidos no Evangelho e na Escritura são para a nossa vida e paz aqui.

São para a saúde do nosso ser, saúde emocional, saúde psicológica, saúde no olhar para a vida.

Se por meio deles vivermos, se segundo eles fizermos escolhas e tomarmos as nossas decisões na vida, melhor e mais felizes viveremos nossa existência aqui.

O único mandamento deixado pelo Senhor Jesus foi o Amor.

Amar é a o ÚNICO mandamento.

Andar em jugo desigual com alguém, ou não andar, nada tem a ver salvação, com requisito moral a ser cumprido, ou qualquer coisa do gênero.

Repito: amar é o ÚNICO mandamento deixado pelo Senhor. Eu disse mandamento! O Pai nos ajude a caminhar no Amor a Ele sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.
--
O fato é que recomendações deixadas para nós na Escritura, que são conforme o espírito do Evangelho de Jesus e possuem a intenção de nos levar à uma existência cheia de Vida Abundante e de Paz, uma vez que Deus nos tem chamado todos à Paz, são transformadas em Leis que geram a morte.

“Não vos ponhais em jugo desigual...” – nos recomenda Paulo.

Sim!

Um mínimo de bom senso nos esclarece que não há como dois andarem juntos na vida se não houver um mínimo de compatibilidade entre ambos.

No entanto, estar em jugo desigual, para o mundo evangélico, é uma questão reduzida para o caso de um casamento de uma pessoa evangélica com uma outra não evangélica. Isso quando não se parte também para o âmbito das amizades, pois para um evangélico clássico apenas é possível ter amizade com alguém que confesse o seu mesmo pacote doutrinário.


Eu passei 15 anos de minha vida no ambiente evangélico e garanto que grande parte dos casamentos ali são situações de jugo desigual.

Conheci, também, ao longo da vida, casais espíritas, ou católicos, ou agnósticos, por exemplo, que vivem em plena harmonia, cônjuges casados de alma de fato, com amor verdadeiro sendo o vínculo que os une.

O que nivela o jugo de duas pessoas que caminham de mãos dadas pelo chão da vida é o Amor, vínculo maior.

Ora!

O simples caminhar com alguém, em qualquer âmbito da existência, que conosco não se identifique pelo menos em coisas mínimas já se torna em algo complicadíssimo de ser administrado e leva de nós uma energia imensa que poderia ser direcionada para o que gera vida e não desgaste.

Suponhamos, então, a agrura do caminhar de uma pessoa com uma outra pessoa que são dissonantes naquilo que é Essencial.

O casamento de duas pessoas é o modo de união mais intenso, profundo, denso.

É preciso cuidado, especialmente nos dias de hoje em que o amor de muitos esfria debaixo de nossos olhos.

Assim sendo, considero mais uma questão à partir de uma citação do pr. Caio Fábio d’Araújo Filho, no seu site, em resposta à uma pergunta sobre esse assunto que lhe foi feita:

“Quando Paulo falou de não se prender ao jugo desigual com os “incrédulos” (Primeira Carta aos Coríntios), ele se referia a um espírito, não a uma “membresia de igreja” — nada disso existia naqueles dias! Sim, ele fazia referência a um “modo de ser”. A prova disso aparece na carta seguinte dele aos Coríntios, quando o apóstolo diz que o “incrédulo” ao qual não se deve associar sob hipótese alguma é justamente aquele que se diz “crente”. Portanto, ele fala de um espírito, de um modo de ser, e não de uma filiação religiosa.”

- Caio Fábio d'Araújo Filho

E ainda:

“Assim, Paulo não quer saber de “membresia cristã” para validar o casamento — posto que alguém pode ser “da igreja” e ser um incrédulo existencial, vivendo sem Deus no ser, e sem atitudes e modos bondosos —, e também não acha que seja bom alguém se casar com a total disparidade de espírito e consciência, conforme poderia acontecer no caso de uma mulher (ou homem) discípula de Jesus vir a se casar com um adorador de Afrodite ou Apolo. Portanto, tratava-se de algo ostensivo e explicito, e equivaleria a dizer: “Não se prenda a desníveis relacionais com aqueles que andam conforme outra consciência pessoal, posto que isto jamais permitirá que haja um caminho de harmonia entre as partes”. Esse é o espírito do jugo desigual, e não se prende apenas ao casamento, mas a toda forma de vinculo que pretenda ser contínuo e estável.”

- Caio Fábio d'Araújo Filho


Concluindo:

A origem religiosa, hoje em dia mais do que nunca, não referencia alguém no sentido de se considerar a possibilidade de uma caminhada pacífica à dois.
Ao contrário, referencia até muito mal, dados os adoecimentos dos meios religiosos.

Sobre o jugo desigual muitos pontos precisam ser observados com cuidado, e, à luz da consciência no Evangelho devemos usar do bom senso em todo procedimento nesta vida para nosso próprio BEM e para o melhor viver, também no momento de escolher com quem devemos caminhar junto e ao lado.

O que glorifica a Deus é o caminhar de duas pessoas vinculadas de fato pelo Amor.
Cabe a cada um ser prudente, sábio e responsável em sua própria vida!

- Carla Cristina Luna Accioly








Reações:

8 comentários:

  1. Que abordagem lúcida e coerente. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Gente, gostei do texto, concordo com ele, mas ainda não respondeu minha pergunta. Claro que não estou colocando para vocês a responsabilidade de responder nada, nem acho que é o objetivo de vocês dar uma resposta pronta, mas fazer com que cada um busque isso de Deus e na Palavra.
    Entretanto, acho que há coisas que como cristãos, nos questionamos realmente, principalmente quando há um príncipio sugerido por Deus e algumas coisas acontecem contrário a ele, pelo menos aparentemente. Sei que Deus não nos obriga a fazer nada, mas sempre nos sugere a melhor opção. Mas então, em relação a Ester, que se uniu a um homem que não tinha nenhuma comunhão com Deus, e ela com certeza, pelo caráter do tio Mordecai, deve ter sido criada com conhecimento da lei e comunhão com seu Deus, foi simplesmente uma ferramenta na mão de Deus ? Deus não levou em consideração seus sentimentos e sua felicidade, já que não havia e creio que não houve comunhão de pensamentos entre ela e o rei ? Ou Deus só fez isso por que era na velha Aliança ? Mas Deus não muda.
    Sei que Deus sabe todas as coisas e que Ester foi exceção, mas quero levar em consideração o fato de como Deus trabalha na vida de cada um de forma individual, e muitas vezes a gente impõe ou ensina para as pessoas de forma generalisada, como se tudo o que acontece na vida de um cristão, tenha que ocorrer na vida de outro, tanto em bençãos como em maus tempos.
    E por isso, acho que a Palavra sobre não julgar os outros deve mesmo ter mais valor para nós, pois o que as outras pessoas devem ter pensando sobre Ester ? Ou mesmo José, que se casou com uma estrangeira. Talvez no último caso, permisssão de Deus e no primeiro, plano de Deus.
    E sobre planos individuais em nossas vidas, só Deus mesmo para falar ao nosso coração e nos certificar da melhor forma.

    ResponderExcluir
  3. Oie meninas!

    T.S.S. >> Querida, talvez seja tudo isso que você escreveu! É muito claro na Palavra que Deus tenha planos específicos para cada pessoa, além daqueles que são para todos.
    Eu, particularmente (e sem considerar nenhuma posição teológica sobre o assunto), creio que o caso de Ester tenha sido uma dessas situações em que ela foi instrumento de Deus para um propósito maior (de salvar seu povo). Mas acredito - ao ler sua história - que Deus moveu sim os corações de um para com o outro. Eu acredito que a rainha Ester tenha amado o rei e vice-versa. Talvez suas histórias não tenham sido tão "hollywoodianas" como vemos nos filmes, mas acredito que eles tenham desfrutado de sentimentos mútuos um pelo outro.

    Questão prática: Deus é quem conhece os corações e o jugo desigual ocorre até mesmo entre um casal cristão. Bem, se já é delicado dentro da mesma fé, quanto mais se ambos não compartilham dos mesmos princípios!

    Pensamos que jugo desigual não é pecado que leve ao inferno - não compromete a salvação. Porém, ele pode causar um "inferno" durante o tempo de sua vida em que estiver nesse relacionamento! E como cremos que o Evangelho é vida, é obediência, é relacionamento, é para ser leve e justamente nos livrar do "jugo", do "fardo"... não é aconselhável.

    Abração para você e obrigada por participar sempre aqui conosco!
    =]

    ResponderExcluir
  4. Meninas ...
    Concordo com a Déia , com o texto e com todas...

    Quero apenas deixar minhas considerações, que devem ser lidas por vocês apenas como considerações minhas e não leis ... rs

    Quando estamos realmente na videira , e a seiva estiver correndo em nós , saberemos perfeitamente aquilo que devemos fazer...


    Afinal o Espírito Santo é árbitro em nosso coração, não podemos "brincar de Deus" dizendo que esse fulano é ou não é D'ele , dizendo que isso ou aquilo é ou não, devemos como Jesus que era o próprio Deus dizer que tem coisas que somente o PAI é quem sabe , nem o filho sabe quanto mais nós pequenas meninas do Reino... Por tanto.

    Vivam em amor... amor ao pai e submissão ao que ele tem dito a você. ELE lida com cada um de forma particular , e por isso creio que teremos pelo Espírito sabedoria para dicernir quando estamos ou não em julgo desigual.


    PS> E se Deus pensa-se conforme pensamos limitadamente sobre o julgo desigual onde estariamos agora ?


    Bjooo a todas.

    Que a paz do Senhor seja árbitro em nossos corações...

    ;)

    ResponderExcluir
  5. É por isso q amo esse blog!!! meus pensamentos e convicções são traduzidos aqui!
    Muito bem escrito! Parabéns Carla, Que Deus continue te abençoando e nos esclarecendo a cada dia!

    Bjs meninas!

    ResponderExcluir
  6. Obrigada a todas pelos comentários, por estarem com a gente nesta caminhada, por nos acompanharem e nos incentivarem.
    --
    Obrigada, Dri e Ângela, queridas manas!

    Orem por nós, peço, pois precisamos sempre!

    Abraços!

    Carla.

    ps.:Ah! O que vocês gostariam de ler por aqui? Podem deixar sugestões! ;)

    ResponderExcluir
  7. o Evangelho é tão simples, que se as pessoas conhecessem realmente o seu propósito e sua simplicidade, repensariam totalmente... eu aprendi a adorar e amar Cristo justamente pela sua simplicidade e nao por sua complexidade... e nao aprendi dentro da Igreja.. POR ISSO EU DIGO COM CONVICÇAO.. Jesus é meu Heroi :D

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.