quarta-feira, março 13, 2013

O Ponto e o Ponto Morto, a Nota e o Silêncio.

A Vida.
Sua Dinâmica.
Seus Ciclos que começam e terminam. As vezes curtos, as vezes longos.
Os seus Absurdos que nos surpreendem e nos deixam em perplexidade.
O Tempo que não para mesmo na perplexidade.
Movimento. Tudo em um Movimento de tirar o fôlego. Contudo, de repente, a Paragem.
A Paragem.

Nesta dinâmica, aparentemente, sem sentido da vida, muitas vezes nos deparamos com as Paragens.
É como se na estrada da vida houvesse um buraco fundo, escuro, parado. Neste buraco fundo, a vida caiu.
A Paragem.
Maioria das vezes, neste buraco fundo, caímos sozinhos.
O horizonte nubla.
Não enxergamos nada para além da realidade do "buraco-fundo". Paragem.

Estamos tão acostumados a ver produções nossas para fora de nós!
Estamos tão acostumados a ter a certeza de que tudo o que construímos se perpetuará!
Estamos tão habituados à dinâmica frenética do existir!

A Paragem sempre chega. O buraco pode ser mais fundo ou menos fundo, mas está ali para ser vivido.
Não enxergamos nada para além da Paragem. Somente a Paragem.
Não há música.
Não há a "dança" da Vida.
"Minha vida parou..." - pensamos.
"Vai passar!" - nos afirmam. Mas, isto dito não encontra eco em nosso interior, pois tudo o que conseguimos perceber é que tudo parou.
Tudo parado.
O vento não move uma folha de árvore. O sol castiga. O Tempo debocha seguindo sem dar explicações acerca de... nada.
O Nada.
Restamos nós e a Paragem da Vida.

--

Quanto a tudo isso, eu descobri uma coisa tão simples, tão simples, que de tão simples pode ser difícil de ser percebida.
No entanto, uma vez percebida, é uma coisa simples tão importante, tão importante, que de tão importante pode curar nosso olhar para a vida.
Bem...
Tudo começou quando li um poema de T. S. Eliot e me detive neste trecho:


[...]
No ponto morto do mundo em rotação. Nem came, nem
        espírito;
Nem de, nem para; no ponto morto, aí está a dança,
Mas nem paragem, nem movimento. E não se chame a isso
        fixidez,
Onde o passado e o futuro se reúnem. Nem movimento de,
         nem para,
Nem ascensâo, nem declínio. Se não fosse o ponto, o ponto
         morto,
Não haveria dança, e há só a dança.
[...]




Entendi, então, que a Vida, a Dança e a Música tem muita coisa em comum.
[!!!]
Quanto à Dança, a Música ainda toca quando depois do movimento vem a pausa.
Quanto à Música, o Silêncio ainda dança quando depois da nota, a nota perdura no silêncio.
Quanto à Vida, ainda estamos no Caminho, mesmo na Paragem. Tudo é caminho, até o buraco fundo, até a Paragem, até o silencio, até a pausa.
Quanto à Vida, mesmo na Paragem a Música toca e a Dança continua, ainda que no seu ponto de parada.
Se não fosse o ponto de parada, não haveria Dança.
Se não fosse o silêncio, não haveria Música.
Se não fosse a Paragem a vida não seria o que é para ser.

Assim...
Depois de tudo isto dito, jamais esqueçamos d'Aquele que pensou em cada pequena nota que compõe a Música da nossa Vida, que pensou em cada movimento e em cada pausa da Dança da nossa Vida.

Mesmo que pareça tocar uma música desafinada, ou pareça que os movimentos da dança estão descoordenados, eu lhes afirmo que tenho a certeza de que tudo APENAS parece assim ser.

Tudo o que há é Música e Dança.

E Ele? Ele não é indiferente JAMAIS!
Ele é o Supremo Maestro.

- Carla Accioly

Reações:

11 comentários:

  1. Tua demora abraçou delicadamente a nossa espera. Que texto belo!
    #ABREIJOS Carlinha :)

    ResponderExcluir
  2. EMOCIONANTE mana!!!

    É de tirar o fôlego!
    Por favor, escreva, escreva sempre, porque nós precisamos!


    NVTA!
    =]

    ResponderExcluir
  3. Li. Reli. Li novamente. E não pude resisti em comentar: Ler-te fez um bem danado a minha alma.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nohzinha,
      você passeia no meu coração de salto alto! E ainda tropeça!
      :D

      Excluir
  4. Lindo...este texto me fez parar sem parar, pois tudo dentro de mim se remove e se comove com tamanha percepção da vida...! Orgulho da minha irmã!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Márcia,
      coisa boa te ver aqui!
      Sem palavras...
      Coisa boa é quando a gente não está nem esperando a coisa boa e a coisa boa acontece.
      :D
      Te amo. Fim.

      Excluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.