quarta-feira, março 16, 2011

Nunca é tarde para amar




Faz tempo. Trinta e seis anos. Eu morava em Vitória.  Havia ali uma comunidade monástica ecumênica, sucursal do Mosteiro de Taizé,  na França, que congrega protestantes e católicos.

O mais jovem, Henri, tinha 24 anos. Como quase todo  europeu que pisa pela primeira vez em nosso país, estava fascinado com o  Brasil: o calor, a luminosidade, as frutas, a religiosidade do povo e,  sobretudo, o acolhimento, este dom que a nossa gente tem de ficar amiga de  infância cinco minutos depois de conhecer uma pessoa.

Trouxe-o a Minas. Queria que Henri visitasse Belo  Horizonte, Ouro Preto, Congonhas do Campo. Já outros europeus que eu convidara  às Alterosas haviam se maravilhado com a harmonia barroca da antiga Vila Rica.  E mais ainda ao saber que aquelas ladeiras guardam histórias libertárias,  enquanto suas igrejas, cujas torres agulham o céu plúmbeo, exibem a arte  incomparável de Aleijadinho. Não fosse o Brasil um país periférico, Antônio  Francisco Lisboa seria mundialmente tão venerado quanto  Michelangelo.

Em Belo Horizonte, apresentei Henri a  meus amigos, entre os quais Cláudia, 34 anos, recém-divorciada após oito anos  de casamento, mãe de um menino. Cláudia havia morado uns tempos em Paris e,  portanto, dominava a língua francesa, o que facilitou a comunicação entre os  dois.

Henri ficou tocado por ela. Chegou mesmo  a se declarar a ela. A sedução, entretanto, não foi recíproca. Cláudia  considerou-o um homem inteligente, bonito, e a diferença de idade pesou menos  que o escrúpulo de não querer ver o jovem monge largar o hábito para iniciar  um relacionamento após um encontro fortuito.

Meses depois, Henri retornou à Taizé. Durante certo  período, sublimou sua repentina paixão na amizade alimentada por cartas  frequentes entre ele e Cláudia. Depois, a correspondência esmoreceu, Henri  abandonou a vida monástica e dele Cláudia não teve mais notícias.

Graças ao domínio do idioma francês, ela se empregou  numa grande empreiteira brasileira com obras na África e morou no Senegal, na  Mauritânia e na Argélia.

Ano passado – 36 anos depois – Cláudia, agora com 68  anos e um neto, navegava no Facebook quando seu nome foi identificado  por outro internauta. “Você é você mesma?”, indagou Henri do outro lado do  mundo. Era. O contato entre os dois foi reatado e, súbito, explodiu uma paixão  recíproca.

Henri, hoje com 60 anos, é economista  bem-sucedido em Londres. Após largar o mosteiro, casou com uma asiática que já  tinha três filhos e, com ele, ela teve mais dois. A relação durou 16 anos. Há  11 Henri se separou da mãe de seu casal de filhos.

Desde outubro passado, Henri já veio duas vezes ao  Brasil reencontrar Cláudia. Agora pretende se aposentar e levá-la para uma  viagem turística pelo Reino Unido: Escócia, Gales etc. Perguntei à Cláudia se  está apaixonada. Deu um largo sorriso de moça feliz e respondeu: “Estou amando  o amor”.

Nunca é tarde para amar é o título  brasileiro da comédia romântica usamericana, de 2007, dirigida por Amy  Heckerling e estrelada por Michelle Pfeiffer. De fato. Tenho uma amiga alemã  de 80 anos, viúva de um brasileiro, mãe de quatro filhos espalhados pelo  mundo.

Há dois anos ela ligou para a filha que  vive em Frankfurt avisando que chegaria na terça-feira pela manhã. Como sempre  fazia, dividia um período do ano entre temporadas com os filhos. A moça se  desculpou por não poder ir ao aeroporto, pois a escola do filho havia marcado  uma reunião de pais, mas preveniu que seu vizinho, um advogado aposentado de  84 anos, já havia se oferecido para fazê-lo.

Ao desembarcar, lá estava o advogado com a foto da  viajante em mãos. Entraram no carro rumo à casa da filha e, sete meses depois,  receberam os parentes e amigos para a festa de casamento e viajaram em lua de  mel para uma ilha no Pacífico.

Doutor Anselmo, vizinho de minha mãe em prédio na  Savassi, em Belo Horizonte, fez 100 anos em dezembro, com direito a baile no Automóvel Clube e valsa de debutante com a namorada de  82.

A vida ensina: o coração não tem  idade.

Frei Betto é escritor, autor de “A arte de semear estrelas” (Rocco), entre outros livros.

www.freibetto.org – twitter:@freibetto




Reações:

Um comentário:

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.