quarta-feira, maio 04, 2011

Meus olhos doem

Meus olhos doem – Neo (Matrix)
Essa frase do protagonista Neo, no filme matrix, é emblemática. Costumo brincar que eu e alguns companheiros de jornada tomamos a pílula vermelha e agora a realidade se impôs. O fantástico mundo de OZ gospel que antes se apresentava foi descortinado e a realidade do evangelho iluminou todos os recônditos.
Já cantaram que “alguma coisa está fora da nova ordem mundial”. Vejo algo também fora da ordem eclesial. Vivemos uma nação que até “paipóstolo” produziu. Temos bancada evangélica no congresso mas infelizmente poucos parlamentares realmente dispostos a invocar os princípios e valores do Reino de Deus. Legisla-se em prol do próprio gueto ou de forma vinculada com o próximo pleito eleitoral. É preciso agradar a massa evangélica. Me pergunto: quando se disporão a agradar o coração do Pai?
Meus olhos doem como os de Neo ao enxergar a manipulação da palavra de Deus, ao ver uma imensidão de pessoas dependentes de orações fortes, campanhas, “propósitos” e barganhas, muitas inclusive de teor financeiro. Pague por sua benção, pague o preço, faça o sacrifício e a vitória chegará.
Vejo jatinhos chegando, viagens ao exterior, egolatria se agigantando em muitos líderes auto-intitulados cristãos e portadores da voz de Deus, mas vejo uma massa perecendo e depois de perceber que a ilusão que comprou se esvaiu são levados para longe por mais um vento de doutrina ou para longe de qualquer doutrina e acabam culpando a Deus por algo que Ele nunca prometeu.


Meus olhos doem vendo aqueles que ficam discutindo e se apossando do direito de portarem a teologia correta, a nova reforma, a nova revelação.
Igualmente sinto dor por aqueles que se perdem em termos, discutem o sexo dos anjos e perdidos em tantos devaneios esquecem-se de olhar para quem ao seu lado grita por socorro.


Meus olhos doem quando vejo a manipulação, a paranóia e o terrorismo que muitas religiões impõem. O peso de uma vida que só enxerga a Deus em seus ritos e tradições. Que não reconhece a Imago Dei, a Graça Comum, que não compreende que Ele derrama Seu Sol e Sua chuva sobre justos e injustos.



Meus olhos doem e meu coração dói junto quando me lembro principalmente do tempo em que achei que enxergava.
Eu era cega mas achava que via.
Meus olhos doem se acostumando a nova luz
Meus olhos doem pela destruição que contemplam
Mas prefiro assim,
olhos doendo,
coração descompassando
Mas um novo caminho Nele trilhando.

Roberta Lima
Reações:

4 comentários:

  1. Eu me perguntava o que havia acontecido comigo, agora descobri: Tomei também a Pílula Vermelha... a realidade triste e agonizante foi a mim descortinada...

    Mas concordo contigo mana antes assim...

    Texto pra lá reflexivo...

    bjhos

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto, mana!
    Falou por mim!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Roberta,

    Parabéns pelo texto!!! Corraboro com seu pensamento...De que vale discutir e defender teologia e esquecer de olhar p seu lado para quem precisa de amor e socorro?!

    Meus olhos também doem, mas como vc falou... "Mas prefiro assim, olhos doendo, coração descompassando Mas um novo caminho Nele trilhando."

    Abraços, mana!

    ResponderExcluir
  4. Ótimo texto...Infelizmente nossa realidade é essa, um monte de novos fariseus, sepulcros caiados...Ainda bem que Deus já nos abriu os olhos...

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.