domingo, maio 01, 2011

O infalível plano de Deus

Obede gerou Jessé; e Jessé gerou Davi 
Rute 4:22



A maior de todas as histórias de amor, contada a partir da história de amor entre um homem e uma mulher: Deus revelando o Seu plano de resgatar e de incluir na linhagem terrena de Seu filho uma mulher que não pertencia ao povo de Israel. De uma história aparentemente comum, onde morte, perdas, frustrações e recomeços estão presentes, Deus revela a infaliabilidade de Seus projetos.

Vivemos num mundo de profundas incertezas, num mundo onde a relativização da verdade e o individualismo marcam a fé e os relacionamentos humanos. É neste ponto que o livro de Rute nos traz uma verdade confortadora: Deus está no controle de todas as coisas e, por isso, podemos descansar na certeza de que em tudo Ele tem um fim proveitoso. Por mais difícil que seja a nossa história, ela faz parte dos planos de Deus.

Devocional: A Jornada
Reações:

3 comentários:

  1. Para Jesus, o amor natural não é amor, mas o é o sobrenatural. Amar os inimigos é amor sobrenatural, bendizer os que nos maldizem é amor sobrenatural, fazer bem aos que nos odeiam e orar de coração pelos que nos maltratam e perseguem é amor sobrenatural, pois não é normal no ser humano. O normal no ser humano é evitar o inimigo, e prevenir-se para o caso de confronto. Bendizer os que nos maldizem, falar bem dos que falam mal de nós, e orar abençoando é demais para um pobre terráqueo. É mais seguro andar armado.

    ResponderExcluir
  2. AMOR NO VELHO TESTAMENTO 1



    Do ponto de vista humano, claro que havia amor. Jacó amava Raquel, e trabalhou sete anos para Labão, seu futuro sogro, por amor dela (Gn.29:18). Depois de vinte anos servindo o sogro, Jacó volta à sua família. Parou na cidade de Siquem, e sua filha Diná saiu a passear. Siquem, filho de Amor, Heveu, se apaixonou de tal forma por Diná, que, por exigência de Jacó, todos os varões daquela cidade, se submeteram à circuncisão, e à fé de Jacó e sua família, para que Diná se casasse com Siquem (Gn.34:1-24). Este é o amor universal, entre homem e mulher, e também o amor tribal, onde o sangue unia as pessoas. Este é também o amor entre amigos, como Davi e Jônatas, filho do rei Saul (I Sm.18:1-4).

    O amor de Deus, revelado por Jesus Cristo, não era conhecido pelos homens. É o amor que não se vinga, não escraviza, não cobra, não vira o rosto, não se ofende, não faz acepção de pessoas, não lança maldições, nem pragas, nem pestes mortíferas, não rouba, não oprime aos mais fracos, não mata, não manda para a prisão.

    ResponderExcluir
  3. Bom pelo tamanho e pelo conteúdo do comentário acredito que sei quem é esse anônimo...rss

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.