domingo, outubro 02, 2011

Ao assaltá-lo, entreguei-lhe minha vida!


Eu e Finéias eramos salteadores, trabalhavamos nessa função todos os dias! Era um trabalho árduo e muito arriscado também ,mas eu não gostava de trabalho pesado e desejava sombra e agua fresca, por que você nem imagina o que era o trabalho na minha época…
Um dia passou por nós uma viúva, ela vinha contando suas moedinhas que arrecadara na porta do templo, não tivemos dó nem piedade, arrancamos tudo dela… que caída no chão chorou… olhei seus olhos, e antes que me batesse o remorso, sai correndo!
Um dia Finéias resolveu visitar sua irmã no vale dos leprosos, ela estava doente há anos e de vez em quando ele passava lá e lhe jogava umas comidas… eu nunca fui, nunca tive coragem de ir…
Dormíamos ao relento, às vezes em alguma caverna, outras vezes a beira mar, mas naquela noite Finéias estava muito estranho, desde que chegou da visita da sua irmã estava calado, e ver um tagarela como Finéias calado é por que algo estava errado…
Fui ao mar e pesquei, coloquei-os na brasa e o chamei meu amigo pra jantar…  Disse-me que estava sem fome, e queria ficar quieto e refletindo na vida.- Finéias, você vai me contar agora o que aconteceu contigo… tu tá muito estranho!- Acho que eu deveria te contar mesmo… Oséias quantos anos tu me vê visitando minha irmã?- Acho que uns dois anos mais ou menos… não é isso?- Pois é, então hoje eu fui no Vale dos leprosos comprei umas frutas e tal mas ela não estava mais lá.- Nooossa! Mas o que houve?  ela faleceu Finéias?- Quando eu cheguei foi o que pensei, mas Miriam me disse que ela não estava mais ali e que fora embora pra casa de uma mulher chamada Maria. Perguntei pra Miriam por que ela tinha feito isso, ela apenas me disse pra procurá-la! Segui o caminho que ela me falou pra seguir, e fui pensando o que deveria ter acontecido … Entrei na rua e perguntei pra um homem se ele conhecia uma tal de Maria, ele me mostrou a casa dela, bati palmas e veio uma moça linda me recepcionar e quando ela chegou perto vi que era Esther minha irmã, lançou-se nos meus braços e juntos choramos! Que saudades eu estava daquele abraço de criança!- mas como assim, ela não estava leprosa?- Não estava mais! Me disse que um Mestre chamado de Homem de Nazaré havia lhe tocado e ela fora curada por Ele. Fiquei sem voz, mas não tinha como negar o milagre pois eu sabia como ela estava, e você lembra como a cada encontro te contava como a situação dela era delicada.- Pois é! Mas eu não acredito em nada disso… faz tempo que o Eterno não fala mais com seu povo, você sabe disso, os sacerdotes há muito tempo não manifestam mais sua glória! E aliás eu sou o ultimo ser a pensar nEle!- Minha irmã me falou que esse profeta é diferente que fala de um Deus de amor. A mulher que acolheu Esther fora uma prostituta e que esse mesmo homem expulsou  demônios dela e que a partir desse dia ela passou a segui-lo e faz boas obras pras pessoas, resgata os mendigos e leva comida para os cegos e leprosos e ela esteve presente no dia em que esse Homem a curou! E eu queria te dizer que amanhã eu vou seguir viagem com Esther, vou levá-la pra casa dos meus pais…Ela está com muita saudades deles, eu devo isso a ela, por que ela sempre me ajudou!- Mas e nossos planos?- Caro amigo acho que vou ficar lhe devendo…- Eu te entendo irmão, por isso vem comigo vamos comer nosso ultimo peixe assado!- Tá certo! Eu vou contigo! Sentamos e comemos e demos altas gargalhadas lembrando nosso tempo de criança e juventude, nossa corrida nas areias da praia da Galiléia e de como eu amava quando minha mãe embrulhava no lenço um pão com um peixe pra gente poder brincar a vontade, depois sentávamos a beira mar e degustavámos aquele lanche!Amanheceu eu acordei, Finéias veio se despedir de mim..- Se cuida, irmão! Não entra em perigo!
- Você também! rimos e nos despedimos, a vida era estranha sem Finéias do meu lado!
Precisava me preparar pra mais um assalto, por que meu dinheiro estava acabando. Vi que dois homens vinham pela estrada… eles estavam rindo, achei até que eles brincavam um com outro, de repente o mais alto deu um tapa na cabeça do outro brincando e o outro correu e logo o outro alcançou e abraçaram-se e riram muito!
Parei-os! Os dois ainda riam quando olharam pra mim ficaram sérios!- Passa tudo o que vocês tem, falei-lhes mostrando minha faca! De repente meus olhos se encontraram com o mais alto, seus olhos eram serenos, e começaram a me incomodar!- João o que temos aqui? perguntou ao menor.- Temos umas cinco moedas Mestre, mas é pra comprarmos o jantar lembra?- Lembro sim, entrega tudo a ele…- Mas Mestre como compraremos o nosso jantar?- Entrega tudo a ele, tira sua capa e lhe entrega também!- Minha capa, Mestre?- Sim, e toma a minha e a dê a ele.- é isso ai jovem, me passa tudo, obedece seu Mestre…. falei isso, mas meus olhos não ousaram encontrar de novo aqueles olhos… era amor puro!
O Jovem tirou tudo e me entregou, tomei tudo e quando fui fugir caiu tudo de minhas mãos que pela primeira vez na minha vida tremiam, quando me abaixei pra catar, Ele ajoelhou-se e me ajudou, quando estava juntando meus olhos se encontraram com os dEle, que levemente me sorrio… eu não suportei aqueles olhos e fugi, algumas moedas cairam, mas não pude voltar pra pegá-las!
Dias se passaram e eu andava de um lado pro outro e não conseguia mais sair pra “Trabalhar”. Meus pensamentos sempre estavam naqueles olhos que me comoviam toda vez que eu lembrava deles! Fui tomado por uma angústia, um arrependimento, mas por nem um momento senti medo ou terror! Perguntei pela cidade quem eram… me disseram que Ele era o Homem de Nazaré… lembrei-me de Esther e o fato dEle ter a curado! Era loucura! claro.. eu deveria estar doido! Como alguém me amaria? Eu era bandido!
Comecei a lembrar de todas as pessoas que roubei… e de vez em quando cai de joelhos e me pegava pedindo perdão ao Eterno por ter cometido esse delito! Um dia bati no meu peito e gritei:
- Deus dos deuses, Tu que formaste todas as coisas, não sou digno de pronunciaar seu Santo Nome, Sou pecador, injusto, quantas vezes furtei pessoas que lhe serviram? Eu não mereço nada nem seu perdão, mas quando lembro de teus olhos me olhando e a bondade  com a qual tu me trataste naquele lugarejo, sou tomado por teu amor e atraído aos teu braços…, por que sei que estás naquEle homem, por que ninguém é bom a não ser tu!  ajuda-me a restituir a quem fiz mal….
Sai correndo, mas agora aliviado, tomei as coisas do Mestre e de seu discípulo e fui ao encontro dEle. De repente vi uma multidão sentada ouvindo seu sermão.  Quando cheguei Ele dizia:Não acumuleis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões minam e roubam. Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem destroem e onde os ladrões não minam  nem roubam. Pois onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. Nisso Ele veio andando em minha direção e olhou-me nos olhos e disse: - Filho, não temas! perdoados estão teus pecados!  Tocou minha cabeça e seguiu em direção a outros… Caí de joelhos e o adorava e chorando disse-lhe: – Mestre, Tu és o Filho de Deus!
- Filho, grandes coisas o Pai hoje te revelou! Vai em paz!  
Esperei a multidão ir embora, logo vi Ele seguindo com seus discipulos, fui de mansinho e pedi pra chamarem o moço que estava com Ele no caminho, quando o discipulo chegou, entreguei-lhe tudo que havia pegado deles na estrada…Ele tomou seus pertences e foi em direção ao Mestre e conversaram,  o Mestre voltou seu rosto pra trás e me olhou e pediu para que o discipulo me entregasse algo. Tomei em minhas mãos e segui andando de costas e olhando praqueles olhos que me retinham de amor. De repente sai correndo,  caí de joelhos e chorei por que uma alegria havia tomado meu coração, quando abri o lenço havia um pão e um peixe!
Recordeie imediatamente de minha mãe, que gentilmente fazia isso pra eu ir brincar com Finéias nas areias da praia! Aquele pão me desceu como algo sublime e cheio de doces lembranças, recordações e saudades! Peguei a estrada que me levaria pra casa de minha mãe que havia abandonado há muitos anos!!! No caminho perguntas permeavam minha cabeça, como ela estaria? Ela me aceitaria de volta? será? Mas eu não tinha outro pra voltar e recomeçar minha vida! Avistei a velha casa, era a mesma, logo vi o rosto de minha mãe na janela, que já com muita dificuldade me avistou, me reconheceu e saiu correndo ao meu encontro.- Mamãe me perdoa pelo abandono! Joguei-me em seus braços- filho, eu te amo! Como você está? está magro! Não tem se alimentado direito!- Mamãe me perdoa pelo abandono!- Filho, eu te amo! Entra filho, hoje fiz teu bolo predileto era uma surpresa pra você!- Mamãe me perdoa pelo abandono!- filho eu te amo! senta e come! comi o bolo que ela me fazia quando criança!- Mamãe por que você não me responde quando eu te peço perdão?!
- Filho, eu te amo! O amor tudo sofre e tudo espera, não se ressente do mal e cobre multidões de pecados… Fica em paz meu filho!
Como foi bom estar de novo com minha mãe e voltar as minhas raízes! Fiquei anos com ela, cuidei dela até seu ultimo suspiro, agora espero nosso reencontro um dia!
Eu não segui o Mestre como seu discipulo, mas creio que ao me dar aquele embrulho ele queria me fazer lembrar de onde cai, e que eu voltasse e recomeçasse a minha vida com aqueles que realmente me amam, as unicas riquezas de fato que temos são os que verdadeiramente no amam!

Shallom!!!

Di Luz Pockrandt

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.