quinta-feira, outubro 18, 2012

Confessionário: Tesouros

Minha casa foi roubada.

Eu devia ter doze anos naquela época.

Não, quinze.

Isso!
Acho que tinha quinze. Mas não tenho certeza.

Chegamos de viagem e a casa onde morávamos estava uma bagunça.

Logo que entramos, nos vimos cercados por roupas, farinha, óleo e copos pela mesa e pelo chão.

Não haviam apenas levado coisas, também tinham destruído as que deixaram lá.

Minha mãe parecia mais angustiada com a bagunça do que com o roubo. Meu pai correu para o quarto para ver se tinham levado algo de maior valor; e minha irmã, cinco anos mais nova, parecia perdida no meio daquele amontoado de coisas e sentimentos.

E eu, bem, eu estava angustiada com o pensamento:

  'Será que eles levaram meus cadernos, canetas e blocos de anotações?!

Revirei o que já estava revirado.
Nada.  

Passados alguns muitos minutos, parei de procurar.
Estava cansada.

Quando a angustia já estava quase consolada, um susto bom: lá estavam eles!

Todos os meus papéis, canetas e blocos de anotações ali, ao lado da escrivadinha.  Intactos! 

Foi aí que percebi que meus tesouros não valiam nada para eles.
Mais ainda, com o tempo, percebi que a maior parte dos meus tesouros não tem valor para quase ninguém.

O que aprendi com isso?
Aprendi que quem dita o que tem valor é o coração da gente, não o número escrito na etiqueta nem mesmo a marca da loja que vende.

Cresci e ainda tenho meus tesouros.
Tesouros que muita gente diz ser bobagens.
Que seja!

Isso os faz à prova de ladrões.

Melhor pra mim.

;)
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.