domingo, outubro 10, 2010

SOBRE COMER, REZAR E AMAR...



É domingo, feriadinho prolongado, mas em resposta ao desafio de atualizar o blog diariamente, deixei este post programado...quem sabe o mesmo não sirva de dica para você nesse dia.

Não sei se ao ler o título você automaticamente linkou com o filme que estreiou por esses dias aqui no Brasil e que é baseado no best seller de mesmo título ou se você imaginou que vou falar sobre comida, fé e amor. A notícia que tenho para te contar é que se você pensou em uma dessas duas opções: A-C-E-R-T-O-U! 
Vou tentar falar um pouco sobre o filme que já assisti, logicamente com todas as limitações possíveis, pois passo longe de ser uma boa crítica de cinema ou algo parecido. Na verdade, aprecio filmes diferentes, instigantes e inteligentes, mas  também consumo comédias românticas adocicadas e filmes com bichinhos. Desculpa aí: sou mulher e sou sensível...risos. Confesso que me emociono mesmo, com direito à lágrimas que começam a deslizar disfarçadamente e terminam com soluços contidos e até mesmo incontidos, depende do teor emocional da trilha cinematográfica... Sim, eu sou desse tipo que paga mico (já passei por situações em que minha performance emocionada conseguiu roubar a atenção dos espectadores ao meu redor – não acredito que estou contando isso!!!)
Mas comecemos pelo filme, ele é com a Julia Roberts (gosto dela – Roberts, Roberta, sorrisão, comédias românticas, enfim,  alguns pontos em comum – risos), a mesma é uma mulher bem sucedida, casada, escritora, mora em Nova York. Uau: uma vida perfeita! Aparentemente perfeita, pois a nossa mocinha dá uma surtada legal, pede o divórcio e decide passar um ano viajando mundo à fora em uma jornada de busca pessoal. Os destinos escolhidos são: Itália, Índia e Bali, na Indonésia. Pronto, paro por aqui, não conto mais se não perde a graça.

Eat, pray and love – esse é o título original do filme, se traduzíssemos de forma mais fiel seria: COMER, ORAR e AMAR. Depois de assistir a performance de nossa protagonista no filme, parei para pensar nos três pontos abordados e percebi que a autora, de forma empírica, descobriu os três pontos básicos para o bem estar integral e essencial de qualquer ser humano.

Vejamos:

COMER – Automaticamente me remeto ao plano físico, meu corpo, minhas necessidades básicas. Como é bom partilhar uma refeição, creio não ser à toa os relatos de Jesus compartilhando refeições com seus discípulos, amigos e até mesmo em meio à multidão. Precisamos saber parar, saber apreciar uma boa refeição, uma boa pratada de algo delicioso. É preciso comer para que haja vida e é preciso ter apetite para a vida, suas nuances, cores, sabores...COMA, SORVA, ALIMENTE-SE daquilo que faz bem para o seu corpo, sua alma e seu espírito.

ORAR/REZAR – Prefiro a palavra orar e não é por intolerância religiosa – acredite. Ocorre que associo a palavra rezar com o uso de repetições e tudo o que eu menos quero em meu contato com o PAI é um monólogo enfadonho ou repetitivo. Orar é via de mão dupla, é diálogo, é intimidade com Aquele que me formou. Eis outra dimensão importante de nosso ser que muitas vezes é relegado a segundo plano, pois em um mundo onde o materialismo impera, onde aquilo que é visível pensa ter proeminência sobre o que é invisível, aquietar nosso ser e invocar a Deus pode parecer algo supérfluo, mas a realidade é que se trata de algo totalmente essencial, somos seres espirituais, que tem uma alma e habitam em um corpo – a frase é batida – mas é verdadeira e escolho repeti-la aqui. Sejamos zelosos com nossa saúde espiritual e não vejo remédio melhor do que a oração, a conexão com Aquele que é divino e que habita em nós.

AMAR – Ah, o amor! O que é o amor? Sentimento? Ação? Se segmenta em tipos? A Bíblia fala que Deus é amor e quando penso nisso, me remeto ao fato de que Deus nutre amor por nós e nutrir amor por alguém me lembra a palavra: RELACIONAMENTO. Acredito que seja inviável uma vida realmente plena sem relacionamentos de amor com Deus e com o próximo: amigos, pais, filhos, companheiros...

Concluindo:

Não gosto de rótulos, não gosto de receitas prontas, pois como li certa vez da doce Clarice Lispector: Não me deem fórmulas prontas, pois eu não espero acertar sempre. Mas creio que o tripé: COMER, ORAR e AMAR é uma boa dica para se construir um sólida existência que respeita a integralidade daquilo que é SER humano.

Bom domingo à todos!

Comendo, orando e amando,

Roberta Lima

Abaixo o  trailer do filme com uma belíssima canção do Pearl Jam:

Reações:

3 comentários:

  1. Oi Roberta, muito bom seu texto. Eu assistir ao filme na semana passada.

    Beijos e uma ótima semana!!

    ResponderExcluir
  2. Olá maninha!

    Adorei essa reflexão - o bacana é a forma prática com que você extraiu a mensagem do filme!

    Prossigamos comendo, orando e amando!

    =]

    ResponderExcluir
  3. olá pimenta 1
    Boa dica, ótimo texto. Ainda bem q vc não contou o filme (risos)

    bj

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.