terça-feira, outubro 12, 2010

A culpa toda é do amor






Ouço e leio muita coisa. Gosto de ler. E dentre as muitas coisas que ouço e leio algo marcante sempre ecoa nos meus ouvidos, a presença quase palpável "do certo e errado" nos discursos humanos. Assim somos nós, sempre transitando nesse "caminho" entre o que achamos que é certo, entre o que achamos que é errado, entre o que achamos que é bom e o que achamos que é mau. Essa é a marca presente na humanidade: determinar o que é bom e o que é mau para si e para os outros.


Somos mais ou menos 6 bilhões de pessoas no planeta Terra, agora imagine o que são 6 bilhões de pessoas determinando o que é bom e o que é mau para si mesmo e para os demais? Imaginou? Por certo que sua imaginação alcançou o cenário quase que real do que tem acontecido em nossas vidas: brigas, lutas, guerras, confusões, mortes  e todos os derivados desse veneno mortal que o homem ingeriu como sua mordida.

Afinal, será que sabemos mesmo o que é bom para nós? Eu com meus poucos anos de experiência de vida digo abertamente sem medo nenhum que não sou a mesma pessoa de alguns anos atrás que tinha certeza absoluta do que era bom e mau para si. Não sou louca de fazer tal afirmação, na verdade hoje tenho um receio enorme de pessoas que se veem muito certas sobre suas convicções de "bom e mau", sejam elas sobre quaisquer ponto de vista:  psicológico, geográfico, científico, filosófico, antropocêntrico, teológico  e etc...


Quero frisar é que: Não estou dizendo a respeito de relativismo humano ou sobre a responsabilidade do humano... não vou entrar nessa questão. Minha questão toda é: O homem (humanidade) adquiriu uma independência no agir, que apesar de ser um "ser" completamente limitado em toda sua existência temporal, age como se fosse "um tipo de deus". Ora , mais foi essa a recompensa prometida no início, que coisa não?
                                            Gênesis 34 -4
Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. - Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.

E é engraçado que imediatamente após comerem o fruto daquela árvore o homem e a mulher já se acusavam tentando justificar para Deus de quem era a culpa, segundo o que cada um pensava ser "bom e mau". A tal serpente se "esqueceu" de informar um pequeno detalhe que  como ser criado jamais o homem conseguiria ser  onisciente, onipresente e onipotente. E mesmo que o homem tivesse o poder de conhecer o que é bom e o que é mau e a liberdade de como Deus determinar isso para os outros  o efeito nunca é maior que a causa (assim diz uma lei da física por aí ).

Mesmo o ateu mais convicto do mundo não pode negar, ele não tem todas as respostas, pois mesmo que ele consiga comprovar tudo o que ele acha necessário para provar o "acaso" através da ciência, por método e experimento ele jamais vai conseguir dar sentido para a vida. É mais uma forma do homem através de seu "poder adquirido" tentar "ser como Deus".

E mesmo um religioso convicto e teórico aparentemente conhecedor dos versículos citados acima pode estar usando desse "poder adquirido" e tentando ser "como Deus", através de seu determinismo farisaico e legalismo prático. Ele pode viver achando que é dono da verdade, mas, na verdade, mesmo que faça só o "bem" por escolha pessoal, está agindo conforme a sua própria escolha. A nossa justiça própria é como trapos para Deus.

E a pergunta que não quer calar é: Deus sendo quem é, porque deixou tudo isso acontecer? De quem afinal é a culpa? (risos). Essa foi a pergunta que já fiz muitas vezes, e sei que muitos já a fizeram também. Te falar que eu sei exatamente o RG do culpado eu não sei, mais achei a quem culpar, para mim é tudo culpa do AMOR. Amor? O que é isso mesmo?  Aquilo que deixa as pessoas bobas e falando sozinhas? Não... não só falando sozinhas, mas é aquilo que fazem as pessoas se sacrificarem e até morrerem pelo ser amado, e pior, independentemente, se vai receber em troca o mesmo amor! É , o amor é um perigo...  

                                       1 Coríntios 13-7

                     Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Estar ao lado de alguém por obrigação, por norma ou escravidão não é amor. A liberdade é a uma das chamas que sustenta o amor. Mas a liberdade precisa ser limitada para ser possuída (frase de Edmund Burke).

De fato, não conhecemos o amor, não desfrutamos dele de verdade, temo dizer mais: suspeito que poucas pessoas tem o privilégio de terem seus olhos abertos para reconhecerem Deus através do amor. As pessoas reconhecem Deus através de todos os tipos de olhares, mas poucos o reconhecem através do amor. Ele nos amou desde o início, nós fomos criados por um ato de amor, Ele é amor. Mas o amor sem limites não pode ser desfrutado.

Quando um pai fala para um filho: Não faça isso, o pai não está apenas usando da sua postura de autoridade, ele está querendo expressar seu amor cuidando do bem estar do filho, estabelecendo limites na sua educação, pois se nós não criamos assim uma criança ela vai crescer achando que não existe limites e se torna um adulto incontrolável, que sofrerá muito para aprender a viver. Se nós falhos, agimos assim com uma criança, quanto mais Deus ... 

A maior expressão do amor de Deus foi através da vinda de Cristo. Muitos não entendem isso,  eu mesma não entendia, pensava eu que foi desnecessário tudo aquilo na cruz, pois assim como outros que vieram antes dele, muitos morreram dizendo algo para o povo em nome de Deus. Pensava que Jesus era mais um "profeta", um pensador, um homem de boa conduta moral, um líder religioso, mas não, Ele é deveras muito mais do que tudo isso. Ele é a expressão exata do amor de DEUS pelo homem (humanidade). Pois Ele é o próprio Deus se fazendo homem para nos mostrar como deveria ser a relação entre o homem e Deus.
Nossa , isso me constrange !
É como se Deus fosse um pai na sala de casa que se abaixa e senta no tapete para ajudar o filho a construir um prédio com seus brinquedos. Deus se abaixa ao nível do homem para que com a práxis da vida de Cristo o homem aprenda a viver essa relação.

Felipenses 2: 6 -8
 Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus.

Enquanto não se tem o olhar desperto para isso, as coisas não têm  sentido e muito menos significado. Só  através do amor que conseguimos ver o mundo de forma diferente.

Deus sendo amor, não impediu sua criação de quebrar suas leis, lembrando que amor sem liberdade não é amor, porém sem limites o amor não pode ser desfrutado em sua totalidade. Todas as  vezes que uma lei é quebrada é gerada uma consequência. Se você ultrapassa o sinal vermelho, por exemplo, você terá possíveis consequências para a sua "quebra de lei": ou você baterá em outro carro, ou  nada acontecerá aparentemente na hora, mas depois de dias você receberá em sua casa uma carta com um aviso de uma multa que você levou ultrapassando o sinal. Assim aconteceu com o homem (humanidade). Aparentemente ninguém morreu. Mas a conta chegou depois!

Ganhamos uma autonomia e uma independência que não nos permite ter uma relação de amor com nosso criador. Agora somos nós quem decidimos o que é bom e o que é mau, e por natureza completamente corrupta claro, por uma série de outros fatores, a tendência é sempre escolhermos a nossa própria vontade. Algumas vezes corremos o risco de achar que a nossa vontade é a vontade Dele ( no caso dos religiosos) ou excluímos Ele da nossa vida de alguma forma, através das nossas dúvidas em relação a nossa própria existência: Afinal quem é Deus? Ele não está morto? Segundo Friedrich Nietzsche sim, mas quem era ele mesmo? Ah um homem, ah sim, entendi agora...

Outros ainda dizem: Deus é aquele que criou aquele tanto de "regras chatas" para me podar? Ah, sim, eu conheço! Muitos de nós vive  com essa imagem de Deus por longos anos, uma caricatura FRIA, RELIGIOSA, SUPERFICIAL, COMPLETAMENTE SEM AMOR. Deus não é isso, se você pensa assim sobre Deus te convido a desconstruir isso.

Mesmo que conseguissemos ir muito além através da ciência, isso só foi possível porque Ele com seu amor perfeito permitiu, porém muitos estão apenas às margens da vida, sobrevivendo, sem amor.
Ah! E sobre a conta que chegou depois para nós pagarmos?! Bom...Jesus pagou a conta! Ele pagou... por isso sofreu naquela cruz. Foi simplesmente por isso.
Quando recebemos de fato o amor incondicional de Deus conseguimos aprender a amá-Lo como Ele nos amou. Sem receber e viver esse amor é impossivel amar, pois como vamos dar algo que não temos às pessoas? 
1 João 4 :20
Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? 

Eu não estou falando de religião aqui (você pode tentar escapar do perigo do amor dizendo que isso se trata de religião), eu estou falando de amor, do amor que descobri ser alvo, que tenho visto a cada segundo do meu dia... que tenho desfrutado com toda liberdade que Ele me permite ter e que por toda essa liberdade do amor de Deus expresso no ato da criação me sinto presa eternamente à Ele, me fazendo escrava Dele por liberdade. 


Ahhhhhh o Amor. Depois que O descobri, não me canso de culpá-Lo pela razão maior da minha existência.  Viver por Ele.



Simone Caetano.
Reações:

4 comentários:

  1. Nossa que reflexão hein?!
    Me identifiquei com o texto DO COMEÇO AO FIM.
    Meninas continuem a escrever...
    Um beijo enorme!
    Renata

    ResponderExcluir
  2. Hey Si!!!!

    Excelente reflexão!
    Sabe, Nietzsche disse algo interessante: "Até Deus tem um inferno: é o seu amor pelos homens".

    Penso que é culpa do AMOR mesmo!
    De uma forma livre e que também não sei explicar, me sinto eternamente presa à esse amor!

    Obrigada por edificar a minha vida com sua reflexão!

    Beijos!
    =]

    ResponderExcluir
  3. Meninas ...

    Obrigada pelos comentários, que bom que se identificaram. Beijo grande.

    ResponderExcluir
  4. Eita...

    Obrigada por edificar a minha vida com sua reflexão!² =)

    "... que por toda essa liberdade do amor de Deus expresso no ato da criação me sinto presa eternamente à Ele, me fazendo escrava Dele por liberdade."
    Percebo a distância enoorme( ou inexistência de relação) entre o amor(humano) com o de DEUS... Somos instigados a viver este AMOR real!!

    =)

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.