segunda-feira, maio 23, 2011

Uma Vida Sem Amigos é Uma Vida Sem Deus


Na oração de Jesus ele diz: “Dei-lhes a glória que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um: eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, para que o mundo saiba que tu me enviaste, e os amaste como igualmente me amaste.”

Em toda a nossa vida religiosa pedimos a Deus que nos ouça, que nos socorra, que se levante de seu trono e estenda a sua mão em nossa direção no nosso momento de dor, tristeza, angústia, incerteza, medo e desilusão.

Sentimos um imenso vazio quando depois de uma oração tão intensa e com tanta verdade no ser olhamos em volta e só vemos o quarto vazio, as paredes com os mesmos quadros as cortinas completamente paradas e a alma totalmente em suspenso, sem respostas – se não, apenas com o enorme silêncio que todos interpretam como um triste “aguarde”.

O Deus que sirvo, que amo e que dedico toda a minha esperança, no íntimo declaro, sem que o mundo saiba, “ele não me responde. Está mais distante de mim que eu dele”. Mas me levanto, respiro, me consolo, volto a crer que ele é Senhor e finjo que não pensei em nenhuma dessas coisas. Assim sigo minha vida de cristão.

Assim é. E muitos se calam.

Uma de minhas frases nessa semana foi: Uma vida sem Deus é uma vida sem amigos. Essa frase se apresenta para mim quando leio o texto acima junto com declaração de Jesus quando pendurado no madeiro: Pai, por que me desamparaste?

Em sua oração no monte Ele diz que a sua glória a entregou aos seus amigos, a quem amou e ensinou e que, segundo ele mesmo, entenderam e creram. Em sua oração no monte ele diz que assim como ele e o pai são um, seu amigos, a quem amou, a quem ensinou e entenderam, estes seriam o “eu neles”, isto é, eles seriam a extensão da unidade que já existia entre o pai e o filho. O Deus encarnado nunca deixaria a terra enquanto aqueles a quem amou estivessem sobre ela.

Esses seus amigos, esses mesmos aos que entregou a sua glória e que os fez deuses encarnados por meio da unidade entre ele e o pai, se foram, o negaram, deixaram-no só. E ali brada: porque me desamparaste?

Ali me entende.
Ali vive o meu vazio.
Ali vive a minha alma em suspenso.
Ali vive o meu triste “aguarde”.
Seus amigos o deixaram só.

Por Jesus, somos o socorro a alma que clama, a comida do que sente fome, o ombro amigo do que se sente só. (Mateus 25.34-40)
Por Jesus, somos a alegria que falta na caminhada com o companheiro.
Por Jesus, somos a glória que ele deixou no mundo.
Por Jesus, somos o sal deixado para dar gosto à vida.
Por Jesus, somos a luz deste mundo e que segundo seu evangelho não deve estar escondida, mas no velador.

Uma vida sem Deus é uma vida sem amigos. Uma vida sem amigos é uma vida sem respostas. Uma vida sem Deus é um alguém que nos espera enquanto nos isolamos curtindo nossas próprias trevas e indagações.
Por isso busco e busco. Quanto mais amigos tiver, mais de Deus terei em mim. Quanto mais de mim tiverem, mais de Deus também terão.

Com meus erros e defeitos, espero que entendam. Paz e bem!

- Luciano Carvalho

---
Para acessar o Blog do Luciano Carvalho clique:

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.