segunda-feira, junho 13, 2011

Fernando Pessoa - o grande poeta

Todas nós, do Meninas do Reino, somos desse tipo de gente apaixonada por poesias, frases de reflexão e afins... E hoje, como não poderia deixar de ser, separamos um pouco da obra de Fernando Pessoa,  um de nossos poetas favoritos, em celebração ao que seria o seu 123º aniversário.

Para saber mais sobre Fernando Pessoa, você pode acessar o link da Wikipédia aqui
Para ler trechos da obra de Fernando Pessoa, ou conhecer textos na íntegra, recomendamos o Pensador e o As tormentas

Apesar da dificuldade em selecionar trechos da obra de Fernando Pessoa, pois somos fãs, eis a nossa singela homenagem:



Deus é o existirmos e isto não ser tudo.
Fernando Pessoa





Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não atem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.
Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que sogue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: “Fui eu?”
Deus sabe, porque o escreveu.

Fernando Pessoa



Eu amo tudo o que foi,
Tudo o que já não é,
A dor que já me não dói,
A antiga e errônea fé,
O ontem que dor deixou,
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.

Fernando Pessoa, 1931.


Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?
Fernando Pessoa


As vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido.
Fernando Pessoa

Tenho em mim todos os sonhos do mundo
Fernando Pessoa

Tenta cativar por aquilo que teu silêncio contém
Fernando Pessoa


O amor romântico é como um traje, que, como não é eterno, dura tanto quanto dura; e, em breve, sob a veste do ideal que formámos, que se esfacela, surge o corpo real da pessoa humana, em que o vestimos. O amor romântico, portanto, é um caminho de desilusão. Só o não é quando a desilusão, aceite desde o príncipio, decide variar de ideal constantemente, tecer constantemente, nas oficinas da alma, novos trajes, com que constantemente se renove o aspecto da criatura, por eles vestida.
Fernando Pessoa


O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
Fernando Pessoa



Eu não escrevo em português. Escrevo eu mesmo.
Fernando Pessoa

Sendo inspiradas e "poetizando" sempre,
Meninas do Reino
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.