segunda-feira, junho 27, 2011

Um pequeno grupo e a problemática pós-moderna



Estava numa roda de amigos um dia desses quando a conversa se tornou muito produtiva, cheia de reflexões que geraram certa discussão. Falávamos sobre como podemos, enquanto cristãos, fazer a diferença nesse mundo pós-moderno que não para de nos surpreender a cada dia. Haja fôlego para nadar contra a correnteza, dizíamos.

Alguns dos desafios que percebemos a necessidade de encarar:

- Deixar de separar o ser cristão com o ser cidadão – somos cristãos onde quer que estejamos!

- Ser um cristão-cidadão mais consciente de seu papel com o outro e com o planeta;

- Entender melhor a pós-modernidade e o problema de relativizar todas as coisas;

- Diferenciar tolerância com permissividade – principalmente quando o assunto é pecado;

- Respeitar a opinião alheia – especialmente as que discordam dos nossos princípios, sem abrir mão deles;

- Transmitir a mensagem do Evangelho para um mundo em que cada um “cria” seu próprio Deus;

- Nadar contra duas correntes: a de um mundo que se perde na libertinagem e a de uma religiosidade que cega e engana cristãos, distorcendo o Evangelho de Cristo.


Tenho certeza de que teria muito mais para descrever sobre os desafios que pensamos ter, mas acredito que estes resumem bem o nosso debate.

Vejo uma juventude desprotegida: envergonham-se por manterem a virgindade aos vinte e tantos anos, preferem mentir aos amigos para não ser o assunto das piadas da turma; Ou então é melhor transar de uma vez por todas e ser mais um na multidão.

Vejo adultos atordoados: a área profissional exige o máximo de dedicação e os valores cristãos se perdem em meio às promoções, exigências de cargos mais altos e salários exorbitantes, para não mencionar a família.

Vejo empresários divididos: num país em que cada cidadão tem que trabalhar quatro meses e 29 dias para pagar impostos, empresários engavetam seus valores cristãos para que a consciência não pese ainda mais no caixa dois que visa fugir dos esmagadores tributos que lhes roubam os lucros das empresas.

Eu acredito que ser cristão não é para todo mundo. Opinião minha: é preciso ter muita fibra, muita raça, para ser cristão como a Palavra nos desafia a ser. Se o modelo está correto – e é Cristo – a coisa fica muito complicada!

A solução, pensamos todos, começa com a consciência de encarar que é preciso nadar contra a maré, sabendo que a correnteza fará de tudo para nos levar rio abaixo. Depois, a questão é mesmo respirar fundo e contar com a graça de Deus. Se em toda a história da sua Igreja ele nunca falhou, não nos abandonará agora. Respirar fundo e nadar metro a metro é preciso, e é pra hoje!


Um abraço,

Andréa Cerqueira (@acspira)
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.