quarta-feira, agosto 15, 2012

Deus, o tempo e um negócio chamado amor


 
Nota: Escrevi esse texto para um blog cristão para adolescentes.
Por esse motivo, o texto tem um ritmo mais descontraído, tipo 'papo teen'.
Espero que gostem! ;)
...........................................

Antes de qualquer coisa, não se iluda com o tom poético do tema deste post.

O texto está mais com cara de ‘conversa de irmã mais velha’ do que aqueles textos cor-de-rosa e cheios de coraçõezinhos falando sobre amor. 

Confesso que estou saturada de ouvir sobre o tal assunto ‘namoro’.

Desde revistas como Atrevida, Capricho e Todateen [sim, já li essas revistas quando adolescente] até culto de adolescentes/jovens, o assunto é sempre o mesmo: Esperar em Deus e o que fazer durante esse longo tempo de espera.

É claro que sei do valor que esse tema tem. E sei também que é um erro ignorar esse assunto mas tenho certeza que vocês também estão saturados. Confessem!

Mas como sempre [e quando digo ‘sempre’ é SEMPRE mesmo!] ouço pessoas chorando por não ter namorado [a], destaquei 3 pontos para conversarmos [eu sei que existem mais de 1.000 coisas pra falar, mas fica pra próxima, tudo bem?] .

Vamos lá?

1º Nunca escolha um namorado[a] por carência  Essa é a dica ‘top’. Se você seguir ela seus problemas com ‘namoros errados’ vão diminuir bastante.

Já reparou que quase todas as pessoas que escolhem um namorado[a] por carência, se arrependem? Não é preciso ser um grande observador para perceber isso.

O que acontece é que, quando estamos carentes relevamos vários erros e nos apaixonamos por qualquer um que nos chame de ‘minha linda’ ou ‘meu bem’.

Carência é uma droga coisa horrível!!!

Minha sugestão para os tempos de carência: Compre uma caixa de chocolate, alugue um filme bem dramático ou, se preferir, comédia romântica e aproveite a noite no estilo ‘forever alone’.

Acredite, é mais fácil ir à academia pra eliminar os 3 quilos a mais do que viver um relacionamento tumultuado.

Ah, sobre o ‘forever alone’, só por 1 ou 2 dias, nada mais do que isso.

Nem pense em viver depressivo[a] e chorando: ‘ninguém me ama, ninguém me quer’!

A vida é linda e merece ser vivida de coração inteiro.

Seja grato[a] a Deus pela sua vida, pela sua família e pelo seus amigos.

Ficar se lamentando pelo que não tem é burrice perda de tempo!

Agora vai uma sugestão cristã pra a tal carência: Converse com Deus sobre o que se passa aí dentro. Fale para Ele sobre os seus sonhos e peça que Ele te dê sabedoria na escolha de seu futuro cônjuge.

Ore para que Deus guarde o seu coração para viver o amor no tempo certo [PS: o tempo certo quem escolhe é Deus, não você. Para alguns é com 20 anos, para outros, 30. Então, paciência e fé. Muita fé!] e para que também guarde o coração do seu futuro parceiro[a].

 ‘Livrai meu futuro esposo das periguetes. Amém’ #JáOrei 

2º Nunca use seu corpo para atrair pretendentes: Para os moços esse tópico poderia se chamar: ‘Nunca use seu carro para atrair as garotas’ ou, para os mais crentes ‘Nunca use seu ministério para atrair as irmãzinhas’.

Bem, como beleza nunca foi meu forte, nunca sofri com esse problema, mas conheço any pessoas que sim.

A atração física é importante, vocês sabem disso, mas nunca deve ser prioridade em nenhum relacionamento.

Somente pessoas superficiais acham que ser bonita[o] basta. Uma atração física pode durar meses ou alguns poucos anos, talvez. Nada mais que isso.

Nossa alma pede mais. Pede companheirismo, bondade, alguém em quem confiar.

Sugiro que, em vez de comprar tantas roupas, compre um bom livro, visite um asilo e crianças carentes. Participe de um grupo que coopera com ação social. Trabalhe sua alma.

Até porque, é [muito] mais fácil encontrar pessoas bonitas do que pessoas gentis e bondosas.

Sugestão cristã: Peça para Deus moldar sua alma. Aprenda a respeitar os seus pais e a ouvir as pessoas mais velhas.

Construa um relacionamento intimo com Deus e fale com Ele sobre suas limitações, sobre seus pecados e dificuldades. Peça para que Ele te molde e te torne uma pessoa melhor.

Faça um diário e escreva suas superações, como por exemplo: ‘Hoje eu ajudei uma senhora na rua’, ‘me irritaram, mas eu não discuti’ ou ‘Obedeci meus pais’.

3º Cuidado com o mundo virtual! Ok, eu sou adepta a várias redes sociais e acredito em amor online [ou e-namoro se você preferir]. Mas tem algumas coisas que vou te falar…

Outro dia olhei o perfil de um garoto cristão [sim, é claro que eu estava analisando o perfil dele]: simpático, inteligente, falava bastante em Deus e sempre tinha um versículo que cabia certinho nas nossas conversas.

Quando abri o mural do tal moço crente levei um susto, várias meninas com decotes absurdos e recadinhos do tipo miguxês ‘beijinhuuu linduuu’ e o garoto crente correspondendo no mesmo idioma: ‘obrigado lindinhaaa’.

Não preciso dizer que nunca mais abri o perfil do moço crente, né?

Nas redes sociais é possível detectar muita coisa. Você percebe os tipos de assunto que a pessoa gosta de falar, se é baladeiro, fumante ou nerd [absolutamente nada contra os nerds!].

É sempre bom observar esses pontos para não sofrer muito depois.

Mas não se esqueça de que seu perfil também é analisado. Tenho certeza de que existem inúmeras pessoas passeando pelo seu mural do Facebook nesse momento.

Nunca entendi direito essa vontade de parecer ‘sexy’ nas redes sociais.

Pior ainda quando a pessoa coloca uma foto estilo perigueti [ou, aqueles garotos sem camisa pra mostrar os músculos] e posta frases do tipo ‘Deus, eu te amo e vivo só pra Ti’. 

Convenhamos, não combina neh?

Olha só, se você está realmente a fim de conhecer alguém maduro, cristão e com boas intenções, sugiro que tome mais cuidado com alguns posts nas redes sociais e o modo com que interage nelas.

Dica cristã: Tenha o temor de Deus em todas as suas atitudes. Deixe Deus reinar na sua vida por completo. Inclusive nas redes sociais.

Espero que tenham gostado desse nosso ‘papo namoro‘.

Que Deus dê sabedoria para que vocês façam boas escolhas.

 Juízo, galera.
 Bjins, até a próxima! ;)

Luciana Leitão [ou, se preferir, Lu Poulain]


Reações:

2 comentários:

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.