sábado, fevereiro 02, 2013

A pobreza da Música Pentecostal

Por que o "reteté" nunca acontece
com uma música que fala sobre a cruz de Cristo?
Por Gutierres Fernandes Siqueira

A Música Pentecostal é um gênero bem específico. Se você é de uma igreja tradicional ou até mesmo neopentecostal raramente ouvirá esse ritmo. A chamada Música Pentecostal é marcante no ambiente assembleiano e em igrejas de liturgias parecidas com as Assembleias de Deus. As principais expoentes são as cantoras Cassiane, Lauriete, Damares, Elaine de Jesus, Vanilda Bordieri etc.

O principal compositor desse gênero é o pastor Elizeu Gomes. O músico Gomes estudou no Hosanna International Seminar, o mesmo seminário que publica a “Bíblia Revelada”. Revelada? O nome já diz tudo. O seminário é uma versão “pseudoerudita” de um pentecostalismo dado a extravagâncias litúrgicas e pregações cheias de analogias abusivas. É um daqueles seminários que oferece “mestrado” em um kit com 25 apostilas.

Mas por que falo em pobreza? Ora, a chamada Música Pentecostal é incrivelmente pobre: tanto em estilo como em teologia.

Estilo

É incrível como todas as músicas são perecidas. O ritmo começa lento como se fosse uma seresta (espécie de serenata) ou um brega melódico e depois parte para uma agitação repentina. A agitação normalmente vem em ritmo de forró, sertanejo, axé ou como marcha. A previsibilidade do ritmo é altíssima. Você sempre sabe que na metade da música haverá uma mudança. As notas musicais variam pouco entre uma e outra música. Não é à toa que as igrejas pentecostais estejam cheias de “vocais” e com raros corais.

Teologia

Bom, quem faz mestrado com apostilas recebidas pelo correio não pode ser considerado um mestre. Falta, no mínimo, honestidade intelectual. E fazer músicas com uma teologia pobre de Bíblia e sem a correta interpretação? Ora, são músicas que falam em uma “porção dobrada do Espírito” como se a expressão referisse a todos nós. Onde anda a correta interpretação bíblica? Bom, e eu nem preciso falar sobre a ênfase na vitória, a centralidade nas necessidades humanas, a exaltação da vingança, a ausência de um culto a Deus etc. e tal.

Vale lembrar o velho Donald Gee, ainda na década de 1930, alertava os pentecostais sobre o desvio em sua música:

Gostaria que os nossos hinos fossem mais de adoração. Setenta e cinco por cento de nossos cânticos hoje falam mais sobre nós mesmos, sobre nossos sentimentos e experiências. É tempo de chegarmos à igreja para cantarmos ao Senhor. Seria uma boa coisa realizar uma ou duas reuniões onde chegássemos para ministrar ao Senhor, onde chegássemos para trazer-lhe algo. [1]

Portanto, a pobreza da música torna a nossa igreja pentecostal mais pobre.

Referência:

[1] GEE, Donald. Como Receber o Batismo no Espírito Santo: Vivendo e Testemunhando com Poder. 6 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006. p 71. O título original é Pentecost (Pentecostes, em português). A partir do ano 2000 a editora trocou o título pelo descrito acima. O título é muito infeliz, já que o próprio autor condena a ideia de uma “fórmula” para receber o “revestimento de poder”.


Lido em: Teologia Pentecostal
Reações:

Um comentário:

  1. Tambem já notara essa pobreza na musica pentecostal...e acrescento há mta pobreza tbm nas musicas gospel tocadas nas igrejas, em especial, as igrejas do G12

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.