terça-feira, abril 03, 2012

O som do silêncio


Minha fase de solidão...


O silêncio: algo tão presente na nossa vida, mas com o qual muito poucos sabem lidar, poucos mesmo. Tenho pensado muito nesse assunto nos últimos dias...


Quando digo silêncio, me refiro a um estado que vai além da ausência de sons – algo que se aproxima mais da solidão a que eu estou vivendo ultimamente por opção própria... 


Sei lá, ando tão inconformada com algumas situações, que resolvi viver o tempo do silêncio...


O silêncio nos incomoda. Sentimos-nos mal quando ficamos sozinhos – seja numa festa, enquanto todas as outras pessoas conversam, seja em casa, quando não há mais ninguém por perto. No primeiro caso, o sentimento é de exclusão, no segundo, de estranhamento.


E, caso você seja semelhante a mim, você também não fica nesse estado por muito tempo. É angustiante. Tem de haver algum barulho – é muito mais confortante. Dessa forma, você entra em alguma roda de conversa, telefona para alguém, ou busca por algo bem mais sutil – que não produz nenhum som, mas ecoa lá dentro de nós – como, por exemplo, a leitura de um livro...


E o mais contraditório é que é justamente no silêncio que Deus se revela. É justamente no silêncio que podemos ser nós mesmos, para nós mesmos e para Deus. É justamente no silêncio que aprenderemos mais sobre nossa essência e a de Deus.


No caso, a lógica é contrária ao instinto. Achamos que Jesus sofreu ficando 40 dias no deserto e muitas outras madrugadas sozinho. Ledo engano! Ele sofreria muito mais se não fosse assim.


Mas não me entenda mal. Não estou dizendo que você não pode buscar a Deus no barulho do ônibus indo para a faculdade, trabalho, nem que ELE não pode se revelar a você em uma música. Conforme já disse no início, o silêncio a que me refiro é mais um estado de espírito do que uma ausência de som, apesar de que o último desmascara o primeiro...


Muito menos estou sendo contra a socialização em uma festa (muito pelo contrário: se você está numa reunião de pessoas, creio que você não deve desperdiçar a oportunidade de crescer em amor com as pessoas presentes) – só estou afirmando que o ficar sozinho não deveria ser incomodo para nós.


Falando por mim, definitivamente não sei conviver com essas situações (estou aprendendo). Mas, pensando no longo prazo, com certeza seria melhor desarmar e aprender a lidar com ela.


Silenciosamente se instalou na minha garganta um grito que tem me feito caminhar por entre as madrugadas, tentando sobreviver nesta sociedade tão barulhenta, discriminatória e tão desprovida de afetos... 


“Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflição, mas tendes bom ânimo; eu venci o mundo”. Jo 16: 33.


MC
Lido em: Deus no meu viver
Reações:

2 comentários:

  1. Excelente reflexão! Realmente a solitude é algo que o cristianismo, cada dia que passa, parece esquecer, deixar de lado! Nossa, e como ela é importante! Recomendo para quem quiser se aprofundar mais nessa área ler o maravilhoso livro do Richard Foster, chamado Celebração da Disciplina. O capítulo em que ele fala da solitude mudou minha vida! :-) Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Estou me sentindo assim hj e me deparei com este texto...

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.