quarta-feira, dezembro 05, 2012

É assim na minha vida, é assim na minha rede.


Um papo sobre como me relaciono com as redes de relacionamento
É impressionante como as pessoas acham que estão protegidas nas redes sociais! Tanto protegidas em sua privacidade quanto protegidas em seu anonimato para escreverem e publicarem o que lhes vem à mente, pensando não causarem dano ou não serem descobertas.
Depois de saber que pessoas estão desejando sair da rede por causa de inconvenientes e até agressões, matutei e achei por bem dizer como me relaciono com as redes de relacionamento. Pra você me entender ali e quem sabe tirar algum proveito.
A rede social é a amplificação do que acontece no cotidiano de cada um. Essa amplificação é, na maioria das vezes, fantasiosa. Assim, aquilo que se faz ali, na rede, é uma projeção do que se pensa, se faz e se deseja fazer em um espaço que promete, equivocadamente, ser anônimo.
Passo a lhes dizer como tento me comportar nas redes sociais de relacionamento.
Escrevo o que penso que a maioria possa se interessar, pois sei que quando entro, estou numa sala com tanta gente quanto couber em minha lista. Não escrevo coisas como “vou ao banheiro”ou “que raiva deste ou daquele”, pelo simples fato de que estou em público. Para coisas assim mais íntimas tenho as mensagens diretas, os ambientes privativos, o lugar da intimidade.
“Posto” fotos que todos podem ver, como as que tenho nos portaretratos de minha casa. Se eu tirar fotos “comprometedoras” quase ninguém verá, a maioria nunca, então você morrerá curioso sobre meu limite. Sou humano, gosto que as pessoas vejam quem sou e o que faço, quem amo e com quem vivo, mas gosto de privacidade também.
Respondo textos, emails, mensagens diretas com a mesma atitude que respondo em conversas pelo telefone ou do tipo olho no olho, ou seja, aos mais próximos, mais intimidade, aos mais distantes, naturalidade. Não consigo virar melhor amigo de quem acabei de adicionar em minha lista e nunca vi pessoalmente. Agradável, prometo tentar, pois se não quisesse conhecer novas pessoas e ser simpático, não entraria em uma rede de relacionamento. Simples assim.
Deixo de seguir ou tiro de minha lista de seguidores pessoas hostis, que pensam que podem me ofender somente porque não estão diante de mim, olhando na cara. Não respondo a quem não me pergunta, mas somente escreve para me dizer seu ponto de vista. Não gosto muito de discussões, sabe? Sou assim ao vivo, sou assim na rede. Gosto muito de conversar, então respondo sempre que consigo a todos que escrevem. Sou assim ao vivo, sou assim na rede. Atraso para responder quando não estou disponível e é só por isso. Sou assim ao vivo, sou assim na rede.
Não preciso seguir quem todo mundo segue e não me preocupo se as pessoas verão que sou amigo dos amigos. Sou assim na vida, sou assim na rede. Não respondo ofensas até mais facilmente que aquelas que sofro quando estou olhando a pessoa, porque estas podem me tirar do sério antes de eu pensar, aquelas, as virtuais, são jogadas na lixeira da máquina e ganho tempo pra pensar e não reagir aos medíocres na mesma medida que eles agem.
Não excedo os limites em conversas nas quais minha esposa não possa participar. Digo isso não a respeito de conversas pastorais que mantenho na rede, acontecem em ambiente de confessionário. Aliás, o que ouço como conselheiro é sagrado, ninguém sabe, trato com tanto respeito que por vezes chego a esquecer o que ouço como forma de proteger quem ao contar, também prefere não se lembrar. Estou falando de amizades perigosas, flertes, enganos, brincadeiras. Se minha esposa não pode se sentar ao meu lado num papo que tenho com uma pessoa, então não continuo a conversa.
Enfim, gosto das redes, tenho aprendido a conviver nelas, uso o que têm de bom, desprezo o que não presta, esforço-me para tratar a mim mesmo, aos meus amigos e aos seguidores como se estivesse olhando-os nos olhos, consciente de todas as limitações disso.
Se você ainda quiser fazer parte da minha lista, fico feliz. É assim que é. Aos que desistirem de mim, já me acostumei. É assim na minha vida, é assim na minha rede.
©2011 Alexandre Robles
Lido em: http://www.alexandrerobles.com.br/
Reações:

Um comentário:

  1. Oie.
    Acho que isso é muito verdadeiro, muita gente posta tudo o que vem a cabeça achando que estão seguras, o que... Não é verdade :T
    Gostei do texto :)
    Bjsss ;*

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.