terça-feira, janeiro 29, 2013

Pra mim já deu, chega!




O domingo do dia 27 de janeiro de 2013 mal havia começado pra mim quando ouvi na TV da sala a triste notícia da tragédia na danceteria Kiss na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Os noticiários já informavam que eram 90 os mortos e os números não paravam de crescer. Ver aquelas cenas, o desespero daqueles jovens martelando as paredes e toda aquela fumaça, derrubaram a minha alma. Perplexa, vencida por um profundo sentimento de angústia e pesar, lamentei por aquelas jovens vidas cujos sonhos foram abreviados e por aquela dor imensa que, sem a menor piedade, invadiu o lar de tantas famílias.

Em pouco tempo anunciavam o número de 180 mortos. Fiz um breve comentário no meu twitter que dizia: "Diante de uma tragédia como essa, não há mesmo nada para se dizer, apenas lamentar." Nesse momento me dei conta de que era melhor (no sentido de ser mais saudável mesmo) não ficar on-line no Facebook, isso porque, sempre que há uma tragédia, há aqueles que se julgam tão espirituais e superiores, principalmente no meio evangélico, que, não contentes com seus pensamentos cheios de orgulho e soberba, ainda nos fazem o desfavor de compartilhá-los nas redes sociais. E os fazem com o peso de julgamento. 

Tragédias

Em 2001 o mundo ficou chocado com o ataque terrorista sofrido pelos E.U.A no qual os edifícios conhecidos como 'As torres gêmeas' vieram abaixo e o saldo final foi de quase 3 mil mortos. "Deus está pesando a mão sobre os E.U.A" era um dos comentários que mais eu lia ou ouvia, disparados por seus "porta-vozes", aqui chamados de crentes.

Em 2004, não bastasse a notícia da morte de cerca de 230 mil pessoas no terremoto seguido de tsunami no Oceano Índico que atingiu 13 países, ainda tive que aguentar os comentários vindos de alguns crentes todos "cheios da verdade" sobre o agir de Deus e sobre julgamento divino. 

Em 2010 o horror veio das imagens do Haiti, onde um forte terremoto, seguido de outros tremores feriu cerca de 250 mil pessoas, desabrigou 1,5 milhão de habitantes e matou mais de 200 mil pessoas, incluindo 21 brasileiros, a maioria soldados que auxiliavam no processo de pacificação do país, um dos mais pobres do mundo. Lembro-me com tristeza do que ouvia: "Também, de um país praticante do vodu, o que se pode esperar?". Sim, mais um crente falou.

Já vimos o teto da igreja Renascer em Cristo desabar em São Paulo, ferir cerca de 50 pessoas e matar uma.  

Em agosto do ano passado, um acidente trágico envolvendo dois ônibus (um deles transportava membros da igreja Sara Nossa Terra), dois carros e uma moto, deixou pelo menos 10 mortos e 89 feridos numa estrada do Paraná.

Qual seria a "explicação divina" dada pelos crentes para esses e outros desastres que envolveram crentes no Senhor Jesus? Teriam tanto peso de julgamento como as anteriormente citadas?

Por qué no te callas?

Não vou reproduzir o que infelizmente li em redes sociais, comentários de crentes que demonstram um tipo de super espiritualidade que, sinceramente, me deixa estarrecida Que falta de compaixão, de graça e de sabedoria. Porque, se uma tragédia como essa não é capaz de comover um crente em Cristo Jesus, que ao menos demonstre um mínimo de decência e respeito e se cale.

E há uma foto do vocalista da banda envolvida na tragédia de Santa Maria, posando ao lado de um cartaz onde há uma caveira Dj envolvida por fogo e outras caveiras dançando em meio as chamas, que, nas mãos de alguns crentes, virou uma "profecia tardia". Há quem afirme que "Deus" estava avisando o que iria acontecer naquela festa.

Não sei mais como dar nome a esse tipo de comportamento por parte de crentes evangélicos nesse país. Suas bocas falam tanto de "juízo divino" como se fosse possível sondar ou compreender o que Deus faz ou deixa de fazer. Esquecem-se de que o conselho da Palavra de Deus também é: chorar com os que choramTem sido sempre assim e confesso, pra mim já deu, chega!

Um lembrete

Tragédias podem acontecer em quaisquer lugares: danceterias, barcos, boates, passeatas, feiras, eventos diversos e também em igrejas. Sim, em igrejas!

Ou ignoramos que uma porção imensa de prédios utilizados por várias denominações espalhadas nesse país não estão aptos para receberem o número de fiéis que frequentam os cultos semanalmente? E todas as medidas de segurança (e pessoal treinado para o caso de emergências) que são ignoradas? Será que nunca estivemos num local com mais de 100 pessoas reunidas e sequer nos preocupamos se há extintores de fogo no lugar ou saídas de emergência, tudo visivelmente sinalizado?

Desde o domingo 27 o nosso país entrou em choque, ficou perplexo e chorou. E anseio para que a inevitável dor agora vivida sirva de impulso para que medidas muito rígidas sejam tomadas e leis sejam modificadas. E que a tragédia de Santa Maria não se repita.

Foi lá, mas podia ter sido aqui. Foram os filhos deles, mas poderia ter sido os de meus pais. Foram amigos e amigas deles, mas poderiam ter sido os meus. Foram eles, mas poderia ter sido eu.

Que o Eterno console e conceda saúde aos que creem e, também, aos que não creem. Porque como o sol nasce para todos e suas misericórdias não têm fim, ele pode fazê-lo. 
Que ele me livre dos crentes-chatos-e-religiosos e que, por sua graça, não permita que meu coração se endureça a esse ponto.

Em luto.
#2 Andréa Cerqueira
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.