quinta-feira, novembro 24, 2011

Dia do Leitor - ( Nosso Convidado )



Como Nasceram as Estrelas.
(Luciana Leitão)


No inicio, quando nada pertencia aos homens, só à Natureza, a Lua e o Sol, conversando, escolheram uma casa para morar.

A Lua ficaria com a casa escura, para fazer contraste com sua cor e'mil formas de ser'.
O Sol, por sua vez, gostava das cores e não se importava com os movimentos daquelas pessoas que, não se sabe bem o motivo, escolheram aquele horário para ‘viver’.

O Sol caminhava lento e forte embora, às vezes, se escondesse entre as nuvens.

Já a Lua, não.



A Lua era toda vaidade, queria ser apreciada e mudava de roupa sempre que sentia vontade:
Ora usava vestido, ora usava decote.


Vez e outra se fazia ‘Vírgula’ no céu escuro e, quando estava cansava, inchava se, ficando ‘cheia’ de toda aquela rotina.

Neste tempo, a noite era morada da Lua.
Só dela, e de mais ninguém.

A noite, os homens, eram conversas, consolos e fofocas com os olhos sempre fitos na Lua que,
suspensa, caminhava devagarzinho pelo céu.

Um dia, a Lua ouviu, lá de cima, que era a mais querida, a mais bonita, aquela que inspirava poesia.

Começou, então, andar de cabeça erguida, como dona maior da sua casa, do grande Céu.
Esquecera que a ‘vaidade é a distração dos egos’ e que essa possui mil armadilhas.

Passaram mil Luas e mil Sóis até que,
em um desses caminhos entre nuvens e vaidade, tropeçou caiu.

Naquela noite desabou luz do céu.
Estava envergonhada e, desesperada, chorou.

Chorou estrelas, cometas e planetas distantes.

As Estrelas, espertas e pequenas, agarraram se ao céu;
outras, inseguras, descolaram se, fazendo finos raios de luz.

Agora a Lua já não era luz inteira,
quebrou-se em mil estrelas,


pequenas luzes que arrancariam, dos homens,
pontos de exclamação.


Pobre lua, antes tão segura de sua beleza,
teria agora que dividir o céu com milhares e milhares de outras pequenas luzes.

Era como se Deus tivesse derramado luz em ‘conta gotas’, no Céu.
Como se fosse remédio pingado.

Hoje a Lua não é mais tão vaidosa.
Fizera das estrelas, amigas.
Sim, ela continua inchando-se e vestindo-se de ‘Vírgula’.

Mas outra noite ela me confessou um segredo:
-Hoje, _disse ela; sou muito mais feliz...
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.