sábado, fevereiro 12, 2011

Deus nos livre de um Brasil evangélico



Começo este texto com uns 15 anos de atraso. Eu explico. Nos tempos em que outdoors eram permitidos em São Paulo, alguém pagou uma fortuna para espalhar vários deles, em avenidas, com a mensagem: “São Paulo é do Senhor Jesus. Povo de Deus, declare isso”.

Rumino o recado desde então. Represei qualquer reação, mas hoje, por algum motivo, abriu-se uma fresta em uma comporta de minha alma. Preciso escrever sobre o meu pavor de ver o Brasil tornar-se evangélico. A mensagem subliminar da grande placa, para quem conhece a cultura do movimento, era de que os evangélicos sonham com o dia quando a cidade, o estado, o país se converterem em massa e a terra dos tupiniquins virar num país legitimamente evangélico.

Quando afirmo que o sonho é que impere o movimento evangélico, não me refiro ao cristianismo, mas a esse subgrupo do cristianismo e do protestantismo conhecido como Movimento Evangélico. E a esse movimento não interessa que haja um veloz crescimento entre católicos ou que ortodoxos se alastrem. Para “ser do Senhor Jesus”, o Brasil tem que virar "crente", com a cara dos evangélicos. (acabo de bater três vezes na madeira).

Avanços numéricos de evangélicos em algumas áreas já dão uma boa ideia de como seria desastroso se acontecesse essa tal levedação radical do Brasil.

Imagino uma Genebra brasileira e tremo. Sei de grupos que anseiam por um puritanismo moreno. Mas, como os novos puritanos tratariam Ney Matogrosso, Caetano Veloso, Maria Gadu? Não gosto de pensar no destino de poesias sensuais como “Carinhoso” do Pixinguinha ou “Tatuagem” do Chico. Será que prevaleceriam as paupérrimas poesias do cancioneiro gospel? As rádios tocariam sem parar “Vou buscar o que é meu”, “Rompendo em Fé”?

Uma história minimamente parecida com a dos puritanos provocaria, estou certo, um cerco aos boêmios. Novos Torquemadas seriam implacáveis e perderíamos todo o acervo do Vinicius de Moraes. Quem, entre puritanos, carimbaria a poesia de um ateu como Carlos Drummond de Andrade?

Como ficaria a Universidade em um Brasil dominado por evangélicos? Os chanceleres denominacionais cresceriam, como verdadeiros fiscais, para que se desqualificasse o alucinado Charles Darwin. Facilmente se restabeleceria o criacionismo como disciplina obrigatória em faculdades de medicina, biologia, veterinária. Nietzsche jazeria na categoria dos hereges loucos e Derridá nunca teria uma tradução para o português.
Mozart, Gauguin, Michelangelo, Picasso? No máximo, pesquisados como desajustados para ganharem o rótulo de loucos, pederastas, hereges.

Um Brasil evangélico não teria folclore. Acabaria o Bumba-meu-boi, o Frevo, o Vatapá. As churrascarias não seriam barulhentas. O futebol morreria. Todos seriam proibidos de ir ao estádio ou de ligar a televisão no domingo. E o racha, a famosa pelada, de várzea aconteceria quando?
Um Brasil evangélico significaria que o fisiologismo político prevaleceu; basta uma espiada no histórico de Suas Excelências nas Câmaras, Assembleias e Gabinetes para saber que isso aconteceria.

Um Brasil evangélico significaria o triunfo do “american way of life”, já que muito do que se entende por espiritualidade e moralidade não passa de cópia malfeita da cultura do Norte. Um Brasil evangélico acirraria o preconceito contra a Igreja Católica e viria a criar uma elite religiosa, os ungidos, mais perversa que a dos aiatolás iranianos.

Cada vez que um evangélico critica a Rede Globo eu me flagro a perguntar: Como seria uma emissora liderada por eles? Adianto a resposta: insípida, brega, chata, horrorosa, irritante.

Prefiro, sem pestanejar, textos do Gabriel Garcia Márquez, do Mia Couto, do Victor Hugo, do Fernando Moraes, do João Ubaldo Ribeiro, do Jorge Amado a qualquer livro da série “Deixados para Trás” ou do Max Lucado.
Toda a teocracia se tornará totalitária, toda a tentativa de homogeneizar a cultura, obscurantista e todo o esforço de higienizar os costumes, moralista. 

O projeto cristão visa preparar para a vida. Cristo não pretendeu anular os costumes dos povos não-judeus. Daí ele dizer que a fé de um centurião adorador de ídolos era singular; e entre seus criteriosos pares ninguém tinha uma espiritualidade digna de elogio como aquele soldado que cuidou do escravo.

Levar a boa notícia não significa exportar uma cultura, criar um dialeto, forçar uma ética. Evangelizar é anunciar que todos podem continuar a costurar, compor, escrever, brincar, encenar, praticar a justiça e criar meios de solidariedade; Deus não é rival da liberdade humana, mas seu maior incentivador.

Portanto, Deus nos livre de um Brasil evangélico.

Ricardo Godim

Soli Deo Gloria
7-02-11

PS! Grifo e imagens nossas
Reações:

19 comentários:

  1. futebol morreria. Todos seriam proibidos de ir ao estádio ou de ligar a televisão no domingo. E o racha, a famosa pelada, de várzea aconteceria quando?

    Por favor,não é pq somos evangélicos não praticamos esporte ,dançamos até não querer mais ,nossas músicas a muuuuuuuuuito tempo deixaram de ser aqueles corinhos que até eu confesso serviam como uma canção p durmir,prova é que o mundo gosepl abriu de forma extraordinário seu leques de opções músicas,do tecnobrega ao rock ....Não passamos por nenhuma lavagem cerebral não.Só que tem uma única diferença tudo que fazemos é para louvar o Deus que nos amou primeiro!!!!

    ResponderExcluir
  2. Acho que o texto é muito barulhento e medroso em muitos aspectos. Cristãos ou evangélicos?! Mas a origem de evangélico qual é? e o que são os evangelhos? Não são as boas novas de Cristo?!

    Acho que, talvez, o problema sejam algumas seitas pseudo cristãs ou evangélicas (por ignorância, desconhecimento, maldade ou má vontade, etc...) que ser arvoram em denominações que querem fazer parecê-las puritanas, donas da verdade e similares. E na verdade não são nada disso. Apenas querem esconder uma mentira ou esconderem-se da verdade. E irem passando o tempo para ver se conseguem uma brecha para a fuga.

    É apenas uma opinião.
    Abraços
    Marcelo de Quadro

    ResponderExcluir
  3. Não sei vocês mas, eu já expulsei muitos demônios e neste ministério sentimos algo muito estranho quando estamos diante deles, uma presença sombria e enebriante a enjôarmos. Foi assim que me senti ao ler esse texto. Manchar a honra da própria família é traição. Um verdadeiro gol de placa, contra. Só faltou mandar a gente voltar para a Igreja Católica.

    ResponderExcluir
  4. Não gosto muito de discutir esse tipo de assunto, mas os judeus que criam nas palavras e nos milagres de Jesus eram considerados tolos pelos doutores da lei. Jesus tampouco se preocupou em criar uma hierarquia entre seus seguidores, mas considerou mulheres, homens, pobres, ricos, pecadores e doentes sem acepção.
    Às vezes me parece que há uma " parte da igreja" que se envergonha das atitudes da "outra parte", como alguém rico que se envergonha do parente pobre. Acho que ficou claro que devemos andar pela nosso padrão de certo e errado, se isso não vier condenar nosso coração, de acordo com Paulo. É certo também,que há muita meninice, imatuidade e falta de conhecimento. Mas se alguém carece de conhecimento na vida, não é virando cristão que será um super sábio. Provavelmente vai pensar sobre as coisas, como pensava antes. Mas acho que deve ser mais fácil para o " que se diz sábio", deixar de ser arrogante, ou tentar ser mais tolerante ou vai parecer um doutor da lei condenando os simplórios judeus. Acho que alguns se preocupam mais com a visão que o mundo pode ter dos cristãos, que álias, não estão nem aí para diferenças de vocabulário, pois crente, cristão, evangélico, daria tudo no mesmo, do que realmente se preocupam com a visão do evangelho dentro do corpo, pois tem a capacidade de absolver o mundo e condenar os cristãos que não andam de acordo com seu ponto de vista ou que andem errado mesmo, por falta de alguém que os ensinnem mais que critiquem.
    Concordo em muitas coisas do texto de Godim, acho que o mundo sem cultura não existe, mas sou contra esse tipo de guerra dentro do corpo.
    Que se limitem a congregar onde se sentem melhor e Deus julgará todas as outras coisas.

    ResponderExcluir
  5. O problema de querer ser intelectual so podia da nisso. Sempre me edentifiquei com os artigos do Sr. Gondim desde quando era muito jovem, e a muito tempo nao lia um artigo dele por estar fora do Brasil pois os lia na Revista Ultimato. Hoje, comecei a ler esse texto sem saber quem poderia ser seu autor, para minha decepcao la estava seu nome. Que tristeza, se ele pensa dessa forma melhor que abandone sua igreja ou ministerio pois esta contribuindo para que pessoas cheguem a Cristo e isto as torna evangelicas, cristas, novas criaturas. Alias, depois dessa, os religiosos nao mais deixarao sua religioes, os idolatras continuarao com seus bezerros de ouro pois segundo o texto o importante eh a fe nao importando em que. Nao estamos e nem devemos lutar por um Brasil Evangelico, mas sim por pessoas comprometidas com Jesus. Um estado religioso seria absolutamente ridiculo, e quem pensa nisso nao tem as palavras do Senhor no coracao, pois a politica, ainda mais a brasileira detonaria com qualquer lei moral e biblica.

    ResponderExcluir
  6. Achei esse texto tão radical quanto os fundamentalistas cristãos que o autor critica. Concordo com o comentário do Ricardo Ribeiro quando ele diz "Manchar a honra da própria família é traição. Um verdadeiro gol de placa, contra". Pra mim, o outro Ricardo - o Godim - foi extremamente infeliz com esse texto.
    Acredito que se alguém vê "as coisas do mundo" como muito melhor do que as coisas "da igreja", não entendo o que essa pessoa está fazendo lá... Quando o próprio texto fala que "Deus não é rival da liberdade humana, mas seu maior incentivador" acredito que essa liberdade também estar na forma de adorar e anunciar as boas novas. Pode não ser a forma que eu particularmente usaria, mas provavelmente é muito mais eficaz de levar os perdidos ao pés de Jesus do que um texto de um "evangélico" que ataca a própria igreja.

    ResponderExcluir
  7. Olá ricardo!
    Ao ler seu texto pareceu-me estar lendo ritler, perdoe-me!
    Se bem, talves, chamar-lhe de ritler talves seje elogio, não sei...
    Bom o que de fato eu desejo dizer-te é que: mesmo tendo sido tão humilhado com um texto tão preconceituoso e pardoxisal, pra não dizer, infami e nogento... Eu como evangélico e Brasileiro, te perdou por toda essas ofensas, em nome de Jesus.
    Ah... O sr. escrevi muitissimo bem, lamentavel que o conteudo seja de pessimo gosto!

    ResponderExcluir
  8. RIDÍCULAS ESSAS SUAS PALAVRAS...DE ONDE SERÁ QUE VEM TANTA FUTILIDADE ? SÓ PEÇO A DEUS QUE TENHA MISERICÓRDIA DE VOCÊ !

    ResponderExcluir
  9. Um absurdo! é como denomino esse texto. Lendo os comentários soube que o autor de tamanha bobagem se denimina "cristão". Pois bem, gostaria de fazer alguns questionamentos.. Só para esclarecimento, o autor tem conhecimento de algo chamado "Evangelho"? Ou isso tbm é coisa de "crente"?? Os comentários citados neste texto são totalmente incoerentes, veja porque: "E a esse movimento não interessa que haja um veloz crescimento entre católicos ou que ortodoxos se alastrem. Para “ser do Senhor Jesus”, o Brasil tem que virar "crente", com a cara dos evangélicos. (acabo de bater três vezes na madeira)" Diga-me qual outra religão prega q para chegarmos a Deus é somente através de Jesus Cristo??!!! crentes todos são.. pois creem em Deus.. agora muito me admira acreditar q bater 3 vezes na madeira levará a alguma coisa.. kkkkk! A proxima...
    "Um Brasil evangélico não teria folclore. Acabaria o Bumba-meu-boi, o Frevo, o Vatapá. As churrascarias não seriam barulhentas. O futebol morreria. Todos seriam proibidos de ir ao estádio ou de ligar a televisão no domingo. E o racha, a famosa pelada, de várzea aconteceria quando?" Culto é bem diferente de Cultura!!! Cristo quando veio ao mundo não mudou a cultura de um povo mas sim a forma como que eles se comportavam em relação a todas as coisas! Até hoje não encontrei nas Escrituras algo do tipo: NÃO LIGUEM SUAS TVS AOS DOMINGOS, NÃO JOGEM BOLA!! Agora não precisa ser "evangélico" para saber q só uma pessoa muuito sem noção para achar que acabar com um carro, arriscar sua propria vida e a vida de outras pessoas e achar q isso puro lazer!!!! Agora meu ultimo questionamento é... Por que nos dois ultimos paragrafos há a contradição de absolutamente tudo o q se foi dito anteriormente??? Encerro meu comentario com apenas um versiculo para a reflexão:
    E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Lucas 23:34

    ResponderExcluir
  10. Antes de qualquer coisa deixo claro que minha postura não representa a postura do MR, falo como alguém que ama o Evangelho, mas principalmente como alguém que pensa. Sei que o post do Ricardo causou uma enorme polêmica, o que é perfeito, pois a polêmica tem esse caráter de nos fazer pensar – bom pelo menos deveria – o fato é que assino embaixo tudo que o Ricardo falou essa coisa de ser “evangélica de berço”, teve seu lado positivo, porque me levou a “estudar” isso mesmo, se você conhece um pouco da história do Cristianismo alinhado ao conhecimento da PALAVRA e a História propriamente dita vai perceber que RELIGIÃO E POLÍTICA não se misturam; quando menos perceber – com o perdão da palavra – a “eca” tá feita. Não preciso defender o Ricardo ele já é bem grandinho, mas defendo o seu direito de desabafo e me reconheço nesse desabafo. Muita coisa mudou desde que o Cristianismo propagou pelo mundo e mudariam muito mais se houvesse essa junção, querer isso é como querer misturar água e óleo e essas coisas NÃO SE MISTURAM, ou seja, os dois se estragariam, só serviria para jogar fora! Só posso dizer que Caio Fábio tem razão em dizer que “tem alma e sensibilidade; e mais: pensa!” Pensemos também amados, se fizermos isso também temeremos diante de qualquer intenção dessas de tornar o Brasil um país evangélico.

    No amor do PAI

    Noh Oliveira

    ResponderExcluir
  11. Porque só coisas ruins aconteceriam se uma cidade ou pais se tornasse ("evangélico") um propagador das boas novas?!
    Tenho a cada dia aprendido a ser cristã e uma das últimas lições foi que Jesus, além de morrer em meu lugar, viveu para me dar o exemplo... Eu preciso fazer o que ele fez.
    Quantos pés tenho lavado? Quantas bocas tenho alimentado? De quantas feridas tenho cuidado? Quantos abraços tenho distribuído? Quantas pessoas tenho ouvido? Quais exemplos tenho dado as crianças que estão no meu convívio? O que meus sites de relacionamento tem divulgado? O que as palavras que saem da minha boca tem causado?

    ResponderExcluir
  12. Só porque a humanidade caminha com novas tecnologias e modernismos, não significa que os cristãos tem de caminharem junto com isso. E você pode postar a entrevista com ele, onde apoia o homossexualismo. Fim de carreira mesmo!

    ResponderExcluir
  13. me preocupo com o relativismo...segundo o texto deixar o pecado pra que? Jorge amado? me poupe!

    ResponderExcluir
  14. Acho que de menina do reino vc não tem nadinha...se converte amiga salve sua alma...e saiba que "CRENTE" é todo aquele que crê!!! Vc fala em tom de discrimacão o que é CRIME..SE EU QUISER .posso até mover uma ação contra vc chamando todos os evangélicos que são mais de 10 milhões...ESTUDA UM POUCO MAIS ANTES DE SAIR ESCREVENDO ASNEIRAS QUERIDA E PROCURA SABER SOBRE AS LEIS...DISCRIMINAÇÃO É CRIME!!!

    ResponderExcluir
  15. Fiquei horrorisado, jamais imaginei que uma pessoa que se diz do reino escreve isso..vc deve ser do reino trevas isso sim...nunca mais volto aqui e vou fazer propaganda contraria...eita menina...longe do reino...aff.

    ResponderExcluir
  16. Olá anônimo antes de "criticar" o que quer que seja, primeiramente você precisa "ler" e não apenas passar os olhos pelo texto e sair metralhando "suas verdades". Não quero tirar de vc o direito de se expressar, mas ao fazê-lo faça com decência e com amor, pois isso não vi no teor do seu comentário, pelo contrário.
    O texto não é de nenhuma das Meninas do Reino, temos leitores de diversas características e pensamentos, o que pedimos é apenas que todos sigam o que Paulo diz na epístola escrita à Igreja de Tessalônica: Examinai tudo. Retende o bem.(ITess. 5.21)
    Finalizo com a frase de Voltaire que nas entrelinhas diz o mesmo que Paulo: Não concordo com o que dizes, mas defendo até a morte o direito de o dizeres.

    ResponderExcluir
  17. Meu Deus,

    Estou estupefata com tamanha ignorância desses anônimos...o anônimo já mostra sua ignorância e falha de caráter ao não revelar sua identidade...me lembrei de uma frase:
    Há pessoas que se convertem porque conheceram um cristão. Há pessoas que não se convertem exatamente pq conheceram um cristão.
    Haja graça e amor para lidar com esses fariseus modernos, será que uma leitura mais apurada e um curso de "interpretação de textos" os ajudaria?
    Ninguém está aqui para defender ou acusar o "Godim", mas ele exprimiu uma opinião que vale a pena ser pesada e ponderada.
    Estava deixando passar batido alguns comentários preconceituosos e ignóbeis, mas estes dois últimos anônimos superaram toda a falta de noção.

    Me perdoem queridos, mas tinha que desabafar.

    Bjs grandes em todos, até nos que nos chamam de "meninas do reino das trevas", obrigada pelo "elogio", afinal do nosso próprio mestre Jesus os fariseus afirmaram: "tem demônio"...continuem fariseus modernos a prestar vosso Des-serviço ao evangelho, quanto a mim: só lamento. Quanto ao Pai: que Ele vos abra os olhos.

    Até breve

    Roberta Lima

    ResponderExcluir
  18. Triste.
    Existem Cristãos de todo tipo e com todas capacidades, talentos, Criatividade e etc. Protestantes, crentes, evangélicos,neopentecostais não são uma outra raça. Não são ETs . Ou menos Amados por Deus. Pasmo ante o sectarismo. E como católicos se colocam a parte usande de forma no mínino equívocada este texto infeliz do Ricardo.
    Falam tanto sobre unidade nos grupos q saíram da católica Romana, mas continuam se afirmmando católicos (apenas não Romanos). A palavra de Deus nos ensina a tratar o outro como queremos ser tratados, considerados, citados, vistos etc.
    Jesus foi judeu e os Apóstolos tb, vamos focar os olhos e o coração onde Jesus está focado, Isaías e Paulo tb se focaram em amar os ramos legítimos e enxertá-los na Videira.
    MUITO CUIDADO COM O HUMANISNO. Humanismo é o Homem no centro! JESUS e Seus planos tem que ser o Centro.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.