quarta-feira, novembro 16, 2011

Doces desilusões

Esta manhã assisti a um trecho de uma entrevista de Rubem Alves em que o mesmo, em um certo momento, foi indagado se já havia sofrido desilusões na vida, ao que prontamente respondeu: “Sim, várias...e elas me fizeram ultrapassar”.

E como Rubem ultrapassou, sua desilusão com a religião levou o país a ter um dos maiores pensadores de nossa contemporaneidade, ainda que o mesmo em doce humildade reconheça que foi dos seus tempos de pastoreio que surgiu o gosto pela transmissão do conhecimento. Caminhos e descaminhos que produzem em nós o que hoje somos.

Quantas vezes já achamos que perfeito e eterno cabiam àquela situação. Quantas vezes nos iludimos sinceramente crendo que encontramos o “mapa da mina”, o “rumo certo”. Quantas vezes já tivemos o disparate de fazer planos de longos anos, achando que assim será. Tolice humana já alertada por Tiago em sua carta bíblica quando nos diz que “Se Deus permitir, amanhã faremos isto ou aquilo”. Queremos controlar a vida, muitas vezes nos iludimos achando que temos o controle pois pesamos todas as possibilidades e variáveis, mas a vida não é lógica, plana, simétrica e tampouco racionalizável. Ela é a vida da VIDA que não pode ser contida, que pulsa, que se reinventa, que morre e ressuscita...é pungente, é latente, é incompreensível , é infinitude e, oras, ninguém sabe que tamanho o infinito tem!


Benditas desilusões que nos mostram que a vida e nós mesmos somos maiores do que nossos próprios achismos e planos. Doces desilusões que nos desbaratinam, nos levam à lona, nos fazem jorrar lágrimas de desespero e dor para depois nos fazer levantar a cabeça e ver que nossos olhos e almas foram purificados e agora são capazes de ir e enxergar além.

Um impacto doloroso e então uma mágica ilusão se dissipa, assim já dizia C.S Lewis em uma de suas crônicas.

O fato é que como dizem por aí: ninguém tropeça para trás... talvez as desilusões sejam os tropeços da ilusão. Doem, esfolam, machucam, assustam, mas levam para frente. Levam-nos à “ultra-passar”, a perceber que em muitos momentos será possível andar a segunda milha, dar a outra face, doar também a capa. Um singelo abrir mão do que nos parece bom para podermos tocar naquilo que é sobremodo excelente.

Planos muitas vezes são planos demais para uma vida tão cheia de curvas e sem a flexibilidade necessária para a mudança, eles podem se perder. Que não nos percamos nos processos de perdas de nossos planos planos. Que possamos ultrapassar e alcançar a próxima subida, a próxima curva, o próximo vale, lá coisas novas nos esperam: boas e ruins. Amargas e doces, assim como as amargas ilusões e as doces desilusões.



Aprendendo que as desilusões podem ser doces e me fazer ultrapassar,

Roberta Lima

Reações:

5 comentários:

  1. Simplesmente inspirador... Deus abençoes todas vcs Meninas de Deus!

    ResponderExcluir
  2. Perdoe-me se se a ideia que absorvi do texto for um pouco pra esquerda, mas lembrei-me do evangelho triunfalista que fere a razão, muitas vezes transformando-nos em psesas que não sabem sentir em seu paladar desgastado essa doçura. O triunfalismo trás uma concepção de vitórias em todo tempo e nos deixam insensíveis ao ponto de não reconhecermos que dias ruins fazem parte desse meu ser imperfeito "Crescemos" enganados com as formulas mágicas: depois de hoje nada será igual,novo começo,nunca mais dor...enganos e mais enganos porque há um propósito em nossas lágrimas bem explicito no texto e em nosso guia perfeito a palavra de nosso Pai, que essas lágimas terão fim mas não aqui desse lado confuso.Quando brigávamos lá em casa pelo controle da TV minha mãe vinha furiosa e tirava as pilhas, um exemplo grosseiro mas é bem por ai mesmo que tiro uma lição: Deus vendo essa nossa estupidez em querermos controlar tudo, Ele não retira as pilhas, Ele simplesmente embaralha as funções, o botão que mudava deixa tudo mudo ou o que trocava de canal agora diminue o volume e agente percebe que devemos tirar esse controle e simplesmente vivermos cada fase e que através delas podemos crescer. Teu texto Robertinha me envolveu de tal maneira e está sendo uma boa reflexão para hoje bjimmmm imurchável.

    ResponderExcluir
  3. Mana, foi muito bom ler isto, é muito bom te ler!

    ResponderExcluir
  4. Queridos,

    É muito bom te-los comentando por aqui, vcs nem imaginam o quanto é encorajador para continuarmos a escrever.

    PS! Isa...amei a analogia com o controle...P-e-r-f-e-i-t-a, vale um post!

    Bjks amores!

    =)

    ResponderExcluir
  5. Maravilhoso este texto.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.