terça-feira, agosto 06, 2013

Santilóides!



Como há "santos" na igreja! Sim, "santos" entre aspas mesmo. Você deve conhecer alguns e eu também os conheço. São inúmeros, tem crescido e produzem uma mistura de nojo, asco e medo.

Eu não gosto de "santos", e espero que você não goste e muito menos seja um.

Vou tentar explicar.

Os "santos" a quem me refiro são os patrulhadores chatos dos bons costumes não necessariamente arraigados na Palavra. São aqueles que buscam doutrinas espúrias e absurdas a serem cumpridas com o único fim de se sentirem mais espirituais que outros e mais merecedores da benevolência divida. São "santos" que buscam a auto-promoção cristã-evangélica e o louvor de seus guetos deturbados e alienados.

São doentes de "santidade".

Possuem uma espiritualidade repulsiva, cheia de atitudes neojudaizantes, onde shofar, arca, bandeira de Israel, correntes,  promessas e outras mandingas evangélicas são parte integrante da busca de tal "santidade" baseada na profecia do irmão fulano, na revelação da geralmente mal casada irmã sicrana e dos desvaneios exegéticos do pastor beltrano.

Quando são mais "tradicionais" geralmente se tornam defensores da "sã doutrina" e dos "bons costumes". Claro que tais "doutrinas e costumes" são determinados pela própria visão do movimento histórico evangélico a ser defendido. Estes, diante do novo, posicionam-se contrários, pois o novo geralmente representa perda de poder (and money, of course). Eles não assumem, mas tem uma quedinha e até compreendem o lado de uns tais fariseus contra um tal Jesus de Nazaré (e de Nazaré vem coisa boa?).

Esse tipo de gente é tão "santa" que não se mistura aos desvalidos, pobres, miseráveis e demais pecadores, pois estes são apenas "vítimas da maldição ainda não quebrada", e por isso instrumentos do diabo a serem evitados. O contato com eles diminuiria a posição no ranking dos mais "santos" na denominação a qual pertencem. Assim, ao sair de um culto muito "abençoado" são capazes de pisar sem misericórdia, de julgar sem escrúpulos e a orar sem a graça.

Aliás, para estes a graça não é algo muito pregado e nem mesmo necessário, pois a graça só é necessária prá quem nada é ou tem, e eles tem e são muito. Eles tem tantas "bênçãos" e são tão "santos" que Jesus é apenas um ajudador do tipo que deu o primeiro passo numa caminhada que caminham sozinhos e confiados em si mesmos.

Estes, enfim, são doentes.

Não são santos, são santilóides.

Marquito - (@marquito_pira)  - é pastor da Comunidade Cristã Ajuntamento - Piracicaba/SP - e você pode ler mais textos dele aqui: www.ajuntamento.com.br
Reações:

Um comentário:

  1. Santos? Santos são aqueles que não param pra analisar que tipo de santo é o santo, seja que santo for. Porque santo, como santo é, é "separado" por isso, tem mais o que fazer.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, crítica ou observação. Queremos saber o que estamos transmitindo a você.
Mas, deixamos claro que comentários ofensivos não serão publicados.